Janeiro Roxo – Mês de conscientização e combate à Hanseníase

Dia 26 de janeiro é o Dia Mundial Contra a Hanseníase. Por isso, o mês de janeiro ganhou a cor roxa para alertar e conscientizar a sociedade sobre o combate à hanseníase. A doença, cercada de preconceitos e estigma, é contagiosa, mas, tem controle e tratamento oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
A contaminação ocorre pelo Mycobacterium leprae e, por atingir os nervos, uma das primeiras sequelas é a perda de sensibilidade da pele. Em muitos casos também há perda ou comprometimento severo dos movimentos que, em casos mais graves, pode levar à amputação.
O enfrentamento à hanseníase é um dos principais desafios de saúde pública no Brasil e o diagnóstico precoce é fundamental para a redução da transmissão e do risco de desenvolvimento de incapacidades físicas.
A hanseníase é uma doença bacteriana transmissível, sua contaminação ocorre de pessoa por pessoa, sendo necessário um contanto próximo e prolongado, por vias aéreas superiores. Os sintomas mais frequentes são: manchas na pele, perda ou alteração da sensibilidade a baixas e altas temperaturas, diminuição da força muscular, formigamento e câimbras. O surgimento de incapacidade físicas é um dos aspectos mais importantes da doença.
Manchas no corpo com perda de sensibilidade pode ser Hanseníase. A melhor prevenção é a informação!
Fique atento a qualquer sinal corporal suspeito, se houver necessidade, procure um médico.
Hanseníase tem cura e o diagnóstico precoce é de extrema importância para a duração do tratamento. Cuide de sua saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *