Quais são os 10 países mais felizes da América Latina? Veja a classificação do Brasil na lista

Em 2012, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou o dia 20 de março como o Dia Internacional da Felicidade. Desde então, o Índice Global de Felicidade é publicado todo ano e leva em consideração o rendimento (PIB per capita), o apoio social, a esperança de vida saudável, a liberdade de tomar decisões sobre a vida e a ausência de corrupção.

Pela sétima vez consecutiva, a Finlândia foi eleita a nação mais feliz do mundo. O relatório atribui uma classificação a cada país (de 1 a 10) com base na percepção dos seus habitantes sobre a sua vida em geral e o seu bem-estar, com base na presença de emoções positivas e negativas.

Também considera a felicidade dos indivíduos nas diferentes fases da vida, destacando diferentes grupos como jovens com menos de 30 anos, pessoas de meia-idade e pessoas com mais de 60 anos.

A lista de 2024 continua a demonstrar a superioridade dos países nórdicos, mas como se classificam as nações latino-americanas? Quais são os países mais felizes e quão ‘feliz’ está o povo brasileiro?

1) Costa Rica — 6.955 pontos

Com 6.955 pontos, a Costa Rica fica em 12º lugar no ranking geral e se torna o “país mais feliz” da América Latina em 2024. A república presidencialista centro-americana sobe onze posições em relação ao ano passado e, pela primeira vez desde a segunda edição do o relatório de 2013 conseguiu entrar no top 20 do mundo; o único representante do continente americano junto com o Canadá (15º lugar).

Segundo o Relatório Mundial da Felicidade, os jovens costarriquenhos com menos de 30 anos são aqueles que admitem sentir-se mais felizes em termos de satisfação geral, enquanto as pessoas com mais de 60 anos estão no extremo oposto (aqueles que se sentem menos felizes).

Fatores a ter em conta: A democracia da Costa Rica é uma das mais longas e sólidas do planeta, é também um dos países mais estáveis ​​da região, graças às suas políticas de vanguarda – especialmente na proteção ambiental – e a um sistema funcional e competitiva que permite aos seus habitantes alcançar um progresso bastante elevado.

2) México – 6.678 pontos

O México também sobe onze posições em relação ao ranking de 2023 para ficar no 25º lugar no relatório mundial, sendo o segundo país mais feliz da América Latina.

Segundo o relatório elaborado pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU e a comparação da satisfação com a vida com base na idade – variável que foi incorporada em 2024 –, os mexicanos mais felizes são aqueles com menos de 30 anos. Já as pessoas que se consideram menos felizes são aquelas que compõem o segmento acima de 60 anos.

O terceiro maior país da América Latina é também a décima segunda maior economia global (em produto interno bruto) e a décima segunda em paridade de poder de compra (PPC), fatores que contribuem diretamente para o índice de felicidade; ao qual se soma um alto índice de desenvolvimento humano (0,781), além de ser uma das regiões mais variadas em termos de clima e biodiversidade.

3) Uruguai – 6.611 pontos

 

O pódio latino é fechado pelo Uruguai com 6.611 pontos acumulados em 2024, outro país que sobe algumas posições – de 28 para 26 – na lista global em relação ao ano passado.

No Uruguai, a felicidade dos jovens (menos de 30 anos) continua abaixo da dos maiores de 60 anos, uma constante do continente e do relatório em geral: os autores destacam que, tradicionalmente, “a felicidade está associada à juventude e aos “idosos”.

Segundo diversas publicações, a República Oriental do Uruguai é o país mais pacífico da América Latina, também está entre os melhores para se viver e um dos 20 mais seguros do mundo . Além disso, é considerado um dos países mais democráticos e latinos com maior nível de alfabetização.

4) El Salvador – 6.469 pontos

El Salvador é outro dos países centro-americanos que ganha terreno e sobe do 50º lugar, em 2023, para a 33ª posição mundial no Índice de Felicidade Global deste ano, com 6.469 pontos.

Estamos falando aqui do país mais densamente povoado do continente americano, com uma população aproximada de 6,8 milhões de pessoas (cerca de 323 habitantes por km2). Apesar de ocuparem a quarta posição, os salvadorenhos têm um padrão de vida muito baixo em relação ao ranking do PIB per capita e os números não melhoram em termos do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) elaborado pelas Nações Unidas para medir o progresso de uma país e o nível de vida dos seus habitantes.

5) Chile – 6.360 pontos

O Chile é o primeiro país desta lista a cair várias posições (em vez de subir) em relação ao ano de 2023, indo do número 35 para o 38 no ranking mundial de 2024. Mas ele permanece firme entre os mais felizes da América Latina com 6.360 pontos acumulados. O país tem um índice de desenvolvimento humano muito elevado (0,860) e é considerado o mais desenvolvido da América Latina.

A sua economia é sólida, a sua democracia é estável e apresenta elevados níveis de progresso social, em contraste com o resto da região.

Segundo o Banco Mundial, o Chile é um país de elevado rendimento e as suas taxas de alfabetização, crescimento económico, esperança de vida, qualidade de vida, globalização e PIB per capita estão entre as mais altas do continente.

Além disso, Santiago do Chile venceu Buenos Aires na última edição do ranking IESE que destaca as melhores cidades inteligentes do mundo, em parte graças ao ambicioso projeto que procura eletrificar a sua frota de autocarros públicos e democratizar o acesso à mobilidade .mais limpo e eficiente.

6) Panamá – 6.358 pontos

 

O Panamá também cai uma posição em relação à lista de 2023 e se instala na 39ª posição mundial com pontuação de 6.358. Esta república centro-americana é um ponto de trânsito privilegiado e estratégico, não só para diferentes culturas de todo o mundo, mas também geograficamente graças ao Canal do Panamá. Trata-se de uma das grandes obras de engenharia do século XX, que facilita a comunicação e o comércio internacional entre as Costas do Atlântico e do Pacífico.

De acordo com o índice de desenvolvimento humano, o Panamá é um dos países que mais cresce na América Latina e é um dos mais competitivos economicamente (em relação ao produto interno bruto per capita), embora continue a ser uma das nações mais desiguais.

7) Guatemala – 6.287 pontos

As nações da América Central continuam a dominar a lista dos países mais felizes em 2024, neste caso a Guatemala, que ocupa a sétima posição na América Latina e sobe uma posição no ranking mundial para ficar em 42° com 6.287 pontos.

A República da Guatemala é o país mais populoso e a maior economia da América Central (a nona da América Latina), sendo o maior exportador de cardamomo, o quinto exportador de açúcar e o sétimo produtor de café a nível mundial, entre outros produtos.

Pelo contrário, segundo o índice de desenvolvimento humano (IDH), a Guatemala apresenta um nível médio (em torno de 0,627), números que vêm diminuindo desde 2020. A pobreza no país também sofreu aumento desde 2006, e a desigualdade de renda (0,63 em o coeficiente de Gini) é um dos índices mais elevados do mundo.

8) Nicarágua – 6.284 pontos

Logo depois da Guatemala, caindo três posições em relação ao relatório de 2023, a Nicarágua está na 43ª posição do ranking mundial com 6.284 pontos, fechando o topo para as nações centro-americanas.

Embora a “felicidade” tenha caído novamente em 2024, a percepção do país melhorou consideravelmente desde o primeiro relatório elaborado em 2012, quando a República da Nicarágua ficou em 89º lugar. Em 2016, o país subiu para a 48ª posição e ficou colocado, pela primeira vez, entre os 50 países mais bem avaliados.

Infelizmente, a economia da Nicarágua é a penúltima economia da América Latina (apenas acima do Haiti) e a última economia da América Central.

Apesar de ser um país com baixo nível de desenvolvimento, a Nicarágua conseguiu superar El Salvador e Honduras no crescimento do PIB, graças ao acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a América Central que está em vigor desde 2006.

9) Brasil – 6.272 pontos

A América do Sul fecha o ranking latino de 2024, em primeiro lugar com o Brasil na 44ª posição global, cinco posições acima do relatório do ano passado.

O quinto maior país do mundo acumula 6.272 pontos e continua sendo a maior economia da América do Sul, da América Latina e do hemisfério sul. O Banco Mundial classifica o Brasil como uma economia de rendimento médio-alto e um país recentemente industrializado, que detém a maior proporção da riqueza global da América Latina, graças ao petróleo e aos vários minerais que abundam para a sua exploração.

Contudo, a sua riqueza não está bem distribuída entre os mais de 203 milhões de habitantes, tornando o Brasil uma das nações mais desiguais do mundo. Mas o país tem reconhecimento e influência internacional, uma vez que é considerado uma potência global emergente em contraste com muitos países europeus.

10) Argentina – 6.188 pontos

A Argentina ocupa a 48ª posição geral, subindo quatro posições em relação ao ranking de 2023 e conseguindo entrar no top 50 das “nações mais felizes do mundo”, fechando também o top 10 da América Latina com 6.188 pontos.

De acordo com dados recentes, o país tem o segundo maior índice de desenvolvimento humano (0,849) da América Latina, atrás do Chile, mas a desigualdade de gênero continua a ser um fator decrescente.

Segundo o Banco Mundial, a economia argentina é a segunda mais desenvolvida e importante da América do Sul. Apesar das constantes crises econômicas, diversas cidades argentinas – com Buenos Aires na frente – destacam-se como cidades inteligentes a nível global, em aspectos como o planeamento urbano, a sua projeção internacional e o desenvolvimento do capital humano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *