Morre mulher que teve 90% do corpo queimado após ônibus ser incendiado em Duque de Caxias

A jovem que teve 90% do corpo queimado em um ataque a um ônibus em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, morreu na manhã deste domingo (23). Larissa Silvestre da Silva, de 26 anos, passou 18 dias internada em estado grave.

Ela e a filha de 4 anos, Heloíse Victoria da Silva Ribeiro, tiveram dificuldade de sair do veículo depois que o fogo começou. Ambas tiveram queimaduras graves, e a menina morreu no dia seguinte ao ataque.

O sepultamento da criança foi marcado por emoção e revolta.

“Tá todo mundo abatido. Tá todo mundo triste, principalmente o pai dela que tá meio abatido também. Desde ontem tá tomando remédio”, disse o padrinho da menina, Márcio dos Santos Lima.

O suspeito de atear fogo no ônibus também se queimou e morreu dias depois. Os investigadores ainda não esclareceram o motivo do ataque.

O caso

 

Testemunhas afirmam que um homem entrou no ônibus com um galão de gasolina e uma faca na mão. O ataque aconteceu no bairro Jardim Vinte e Cinco de Agosto.

De acordo com o relato, no ponto de parada seguinte, o homem começou a furar o galão e jogou o combustível sobre os passageiros, ao mesmo tempo em que os ameaçava com a faca. Testemunhas dizem que ele não deixou nenhum passageiro sair.

Além de Larissa e Heloise, outras três passageiras também tiveram ferimentos, mas sem gravidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *