Maricá e Boane, em Moçambique, assinam termo de cooperação em segurança alimentar

O acordo também prevê fortalecimento das políticas de mobilidade e cultura entre as duas cidades

A Prefeitura de Maricá recebeu nesta quinta-feira (12/01) a visita de Jacinto Lapido Loureiro, prefeito da cidade de Boane, em Moçambique, país do sudeste da África, para a assinatura da Carta de Sinai. O termo, que prevê o fortalecimento de políticas de alimentação urbana, mobilidade e cultura, foi lançado em novembro de 2022 durante a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 27), realizada no Egito. Na ocasião, o acordo foi firmado com a cidade de Quelimane, também em Moçambique. O nome do termo foi escolhido por causa do local de realização da COP 27, que foi sediado na região egípcia chamada de Península do Sinai.

Antes da assinatura, o prefeito africano conheceu projetos da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca, ao lado do secretário Julio Carolino. Após café da manhã na sede do órgão, em Ubatiba, o grupo seguiu para a Praça Agroecológica de Araçatiba, onde Jacinto Loureiro pôde ver como funciona a colheita e também o início do projeto de compostagem ‘Baldinhos do Bem’. Na ação, voluntários cadastrados entregaram resíduos de alimentos crus (como cascas de legumes, frutas e cascas, borra de café, filtro de papel de café usado e casca de ovo), que serão transformados em adubo para a produção de alimentos orgânicos. O material doado servirá para conclusão da composteira de pequena escala que a secretaria vai implantar na praça.

O secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Julio Carolino, destacou a troca de experiência entre as cidades. “Fico muito feliz com a presença do prefeito Loureiro a partir do contato feito em novembro passado pelo prefeito de Quelimane, Manoel de Araújo, outra cidade de Moçambique. Essa visita representa muito para nós, pois a partir dela serão levadas experiências de Maricá para o mundo, como a praça agroecológica, que hoje a população abraça com carinho. Maricá, hoje, é referência e quero poder conhecer Moçambique para também trazer experiências para a nossa cidade”, disse o secretário.

A assinatura do documento ocorreu no gabinete do prefeito Fabiano Horta. Pelo termo, os governos se comprometem a descentralizar o diálogo bicontinental (América do Sul e África), fortalecer as políticas de combate a insegurança alimentar, ao desperdício de alimentos, além da promoção das técnicas de agroecologia em espaços urbanos para tornar as cidades mais resilientes e sustentáveis.

Na esfera cultural, as gestões se comprometem a fortalecer a Língua Portuguesa no cenário internacional para combater o isolamento dos países que têm esse idioma como oficial, além de fortalecer a cultura lusófona e das religiões de matriz africana. Com relação à mobilidade urbana, destaca-se a necessidade de diálogo por soluções eficazes de integração das diversas áreas com ações para redução da emissão de gases de efeito estufa e de poluentes degradantes da qualidade do ar nas cidades, para proporcionar mais qualidade de vida aos cidadãos.

“Os maricaenses devem se sentir orgulhosos de sua cidade, porque foram implantadas iniciativas que se comunicam diretamente com as necessidades da população, e ela valoriza isso. Aqui, é possível ver nas ruas o carinho, sobretudo das crianças, com os gestores municipais, isso é sinal de sucesso. Estamos implantando ciclovias em nossa cidade inspiradas nas daqui e vamos levar outros projetos”, garantiu Jacinto Loureiro, também chamado de ‘presidente’ do município de Boane, que fica a 25 quilômetros da capital, Maputo.

Transporte gratuito em Maricá

Após a assinatura, Julio Carolino também apresentou os ônibus vermelhinhos e as bicicletas compartilhadas da Empresa Pública de Transportes (EPT) no terminal rodoviário do Centro. O presidente da EPT, Celso Haddad, acompanhou a visita e explicou o funcionamento de ambos os modais de transporte, que estão à disposição da população de forma gratuita.

“Receber a visita do gestor máximo da Prefeitura de Boane em nossa cidade reforça a importância de Maricá, que com suas políticas públicas de sucesso e, principalmente, o Vermelhinho e a Vermelhinha como modais de transporte de tarifa zero, é exemplo de cidade que mantém os direitos das pessoas. É fundamental levar a preservação do direito social ao transporte que acontece em Maricá para fora do país”, avaliou Haddad. O grupo também visitou a Fazenda Pública Joaquín Piñero.

Pacto de Milão

O prefeito Fabiano Horta assinou no dia 8 de março o documento que oficializou a entrada do município no Pacto de Milão, o mais importante fórum mundial sobre segurança alimentar, sustentabilidade e combate ao desperdício. Na ocasião, a cidade lançou também sua candidatura a um projeto internacional da FAO. Para concorrer, a Prefeitura listou 12 programas municipais que dão acesso à população de baixa renda a refeições balanceadas e saudáveis, como as Praças Agroecológicas, as hortas comunitárias, o Restaurante Municipal, entre outros. Em outubro, o município participou do 8º Fórum Global do Pacto de Política Alimentar Urbana de Milão, que aconteceu na Barra da Tijuca, no Rio, com representantes de 162 cidades do mundo.

Em novembro, a Prefeitura de Maricá participou da Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, a COP27, o maior e mais importante evento global já realizado sobre o tema das mudanças climáticas, que aconteceu no Egito. Julio Carolino apresentou os programas locais que dão à população acesso à comida saudável, como praças agroecológicas, hortas comunitárias, restaurante municipal, feira de agricultura familiar e desenvolvimento de técnicas inovadoras para a produção agrícola, entre outros. O secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca também falou sobre a experiência de Maricá em agricultura urbana como participante do projeto “Diálogos Multissetoriais sobre Sistemas Alimentares Urbanos no Sul Global (África e América Latina)”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *