Versão preliminar do Plano de Comunicação Antirracista na Administração Pública é apresentada

A versão preliminar do Plano de Comunicação Antirracista na Administração Pública foi apresentada para a ministra Anielle Franco e para a secretária executiva do MIR, Roberta Eugênio, em reunião realizada nesta quarta-feira (22).

A exposição foi feita pela secretária-executiva do Grupo de Trabalho Interministerial, Raíssa Gomes, que expôs o trabalho e o material elaborado pelo GTI, formado pelo Ministério da Igualdade Racial e pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, instituído pelo decreto nº 11.787 com o objetivo de criar o Plano de Comunicação Antirracista na Administração Pública.

“Esta é a versão preliminar do Plano que foi elaborado pelo GTI com o aporte das contribuições da sociedade civil , de especialistas e representante de mídias negras, para que consigamos fazer uma transformação efetiva por meio dessa realização inédita”, disse Raíssa.

Ao longo de seis meses de trabalho, foram realizadas escutas técnicas presenciais e remotas com especialistas, representantes da sociedade civil e das mídias negras e consulta pública que recebeu aproximadamente 400 contribuições nas áreas de sustentabilidade de mídias negras, racismo digital, capacitação em letramento racial e formação antirracista para servidores públicos e comunicadores, investimento em comunicação, realização de campanhas de diversidade que contemplem raça, gênero e etnia, ampliação das mídias independentes, maior representatividade negra nas peças publicitárias governamentais.

A ministra Anielle Franco fez uma avaliação positiva do material apresentado e ressaltou o caráter transversal dessa agenda do governo. ”Esse GTI abre portas importantes para a consolidação de ações integradas com diferentes órgãos da administração pública e será instrumento para a formulação de políticas públicas futuras”, destaca.

No total, foram sistematizadas 18 propostas que contemplam comunicação democrática, política de recortes racial e social, sustentabilidade, segurança e financiamento federal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *