14 de julho de 2024

TV Prefeito

Portal de notícias dos municípios com videos e entrevistas. Cobertura diária das cidades das regiões: Metropolitana, Serrana, Lagos, Norte, Noroeste, Médio Paraíba e Centro Sul do estado do Rio de Janeiro. O melhor da notícia está aqui.

Seop faz operação para retirar ambulantes sem licença de calçadas no Méier e Madureira

A Secretaria de Ordem Pública (Seop) realizou uma operação, na manhã desta segunda-feira (1º), para retirar barracas de ambulantes que trabalham sem autorização da Prefeitura do Rio.

Os agentes percorreram calçadas do Méier e Madureira, na Zona Norte da cidade. Agora, somente ambulantes com licença podem permanecer na calçada.

Antigamente, a Dias da Cruz — uma das principais ruas do Méier — costumava ficar com excesso de ambulantes e quem passava pelo local precisava desviar das barracas, muitas vezes caminhando pela rua.

“Estava difícil andar, muito… até atravessar. Estava insuportável, as barracas já estavam ficando dos dois lados da calçada, e ruim para o comércio, a gente não estava conseguindo entrar nas lojas”, detalha a costureira Jane Paranhos.

De acordo com a Prefeitura do Rio, ambulantes sem licença não podem atuar de nenhuma forma, em nenhum lugar.

Já os ambulantes regulares podem atuar nos locais onde a sua licença permitir.

Ambulantes licenciados para trabalhar

No Méier, 85 ambulantes regulamentados atuarão na Rua Dias da Cruz (entre a Rua Ana Barbosa e a Rua Magalhães Couto).

Já em Madureira, serão 60 ambulantes legalizados para trabalhar na avenida Ministro Edgard Romero até a rua Conselheiro Galvão. E, também, na própria Conselheiro Galvão, do número 11 ao 38.

Ambulantes licenciados podem trabalhar na rua Dias da Cruz — Foto: Reprodução

A região foi ocupada por guardas municipais e fiscais da secretaria de Ordem Pública, que vão ajudar no ordenamento do espaço público e permanecer de prontidão para remover barracas ilegais de ambulantes — que, segundo a prefeitura, pagavam pelo uso do espaço.

Ambulantes licenciados podem atuar em duas vias de Madureira, na Zona Norte — Foto: Reprodução

“A presença do poder público é fundamental justamente para que a gente impeça qualquer tipo de exploração dos comerciantes. Então a gente já identificou em algumas áreas da cidade, como na rua Uruguaiana, em Acari, aqui mesmo na Dias da Cruz, pessoas se utilizando de arbitrariedades para obter lucro cobrando inclusive pela utilização do espaço público”, detalha Brenno Carnevale, secretário de Ordem Pública do Rio.

Ação da Seop para regulamentação do trabalho ambulante na Zona Norte — Foto: Reprodução

No início do ano, a prefeitura proibiu a feira de Acari. De acordo com relatório da Seop, foi identificado que a venda das mercadorias tinham origem em roubos de carga, além de ocuparem irregularmente o espaço público.

Meses depois, foi a vez da rua Uruguaiana, no centro do Rio: ambulantes que trabalhavam irregularmente também foram retirados.

Segundo a prefeitura, haverá uma segunda chance para ambulantes que não conseguiram a regularização de seu trabalho.

Entre os trabalhadores, existe agora a expectativa de um trabalho tranquilo.

Édson da Silva vende mochilas e é um dos 85 ambulantes que agora tem permissão para trabalhar na rua Dias da Cruz, no Méier. Ele disse que agora está aliviado. “Acabou o caô, acabou a bagunça, agora é tranquilão, não precisa mais correr do rapa”, disse.

O ambulante Rogério Moreira conta que trabalha vendendo banana há 35 anos. Segundo ele, não estava mais aguentando tanta desorganização.

“Estava uma bagunça, eles vieram e organizaram”, afirma.

Ambulante Rogério Moreira — Foto: Reprodução

As novas barracas têm o mesmo padrão: são brancas e amarelas e ficarão 1 metro e meio de distância umas das outras.

No entanto, o tamanho desagradou o ambulante Gustavo Guedes. Ele explica que vende bolsas e o tamanho da barraca não o contemplou.

“É muito pequeno. Eu vendo bolsa, se botar 10 bolsas aqui acaba. Tinha que botar pelo menos 1 metro e meio. Você botar 1 metro para colocar bolsa”, disse o ambulante Gustavo Guedes.

Ele afirma que vai tentar se adaptar, mas questiona até quando a fiscalização vai manter a ordem.

“Mas depois volta de novo, a bagunça vai voltar. Daqui a seis meses… se ficar, vai ser bom”, afirma.

Gustavo Guedes é um dos ambulantes licenciados — Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *