Rio abre 2ª fase da vacinação da dengue para crianças e adolescentes

A Prefeitura do Rio de Janeiro inicia na tarde desta quinta-feira (23) a aplicação da 2ª dose da vacina contra a dengue para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. O imunizante estará disponível em todas as 238 unidades de atenção primária do município a partir das 14h.

É necessário esperar 3 meses para tomar o reforço. Quem fez a 1ª dose deve checar a data da aplicação e só retornar ao posto depois desse intervalo.

Essa faixa etária foi selecionada pelo Ministério da Saúde por apresentar maior risco de hospitalização pela doença.

A 1ª fase

A campanha de vacinação contra a dengue para este público-alvo começou em 23 de fevereiro, e, até o final da 1ª etapa, aplicou mais de 130 mil doses.

O combate ao mosquito transmissor da dengue continua sendo fundamental para vencer a dengue e combater as outras arboviroses urbanas, como a chikungunya.

Tudo sobre a dengue

 

1. Quais os sintomas mais comuns?

  • Febre repentina e alta, entre 39°C e 40°C;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Dores musculares e articulares;
  • Náusea e vômito;
  • Falta de apetite;
  • Manchas vermelhas no corpo.

2. Qual a diferença da dengue para a Covid?

Não confundir dengue com Covid, cujos sintomas são:

  • Tosse;
  • Dor de garganta;
  • Coriza;
  • Perda de olfato;
  • Dor abdominal;
  • Fadiga.

3. Quando devo procurar um médico?

Com os sintomas mais leves, já é recomendado ir a um posto. Com o agravamento da doença, o quadro evolui para:

  • Dor abdominal intensa e contínua;
  • Vômitos persistentes;
  • Acúmulo de líquidos em cavidades corporais;
  • Sangramento de mucosa;
  • Hemorragias.

E se torna urgente pedir ajuda profissional!

4. Onde buscar atendimento?

A Prefeitura do Rio de Janeiro afirma que todas as 238 unidades de atenção primária estão preparadas para atender casos de dengue.

O governo do estado informou que as UPAs e hospitais sob sua gestão também estão preparadas para o acolhimento.

5. Posso me automedicar?

Especialistas ouvidos pelo g1 destacam que a automedicação pode mascarar sintomas graves e atrasar o tratamento adequado da doença, especialmente em crianças ou pessoas com problemas de coagulação (uma resposta natural do corpo para interromper sangramentos em vasos sanguíneos), como diabéticos e idosos.

Por isso, como alerta o Ministério da Saúde, é importante procurar ajuda para diagnóstico e tratamento adequados ao apresentar possíveis sintomas de dengue.

Nenhum medicamento disponível no mercado combate os 4 vírus da dengue. Os seguintes remédios apenas amenizam os sintomas:

  • Dipirona: Novalgina, Anador, Magnopyrol;
  • Paracetamol: Tylenol, Sonridor.

6. O que não tomar contra dengue?

  • AAS: Aspirina, Bufferin
  • Hidrocortisona: Berlison
  • Ibuprofeno: Alivium, Buscofem, Lombalgina
  • Ivermectina: Revectina
  • Nimesulida: Nisulisd
  • Prednisona: Predsim

7. Como prevenir a dengue?

A melhor forma de se proteger do mosquito é evitar que ele se desenvolva, ou seja, eliminar os focos de larvas.

O uso de inseticidas, por exemplo, não é uma boa forma de eliminar o Aedes aegypti adulto, já que estas substâncias estão gerando mosquitos resistentes. Além disso, inseticidas causam sérios danos à natureza.

Sendo assim, a melhor maneira de combater o mosquito adulto é eliminar as águas paradas. Sem elas, as fêmeas não têm um lugar adequado para que seus ovos se desenvolvam e assim, a população de mosquitos adultos vai sendo reduzida até não representar mais perigo.

O governo do estado distribuiu um guia para orientar a população nas inspeções por criadouros do Aedes aegypti. É uma folhinha com os pontos de casa que merecem atenção.

Ficha orienta inspeção contra criadouros do Aedes aegypti — Foto: Reprdução

 

Siga essas orientações:

  • Coloque areia no prato dos vasos de plantas.
  • Mantenha os ralos limpos jogando água sanitária ou desinfetante semanalmente. Verifique a existência de entupimento. Se não for utilizá-los, mantenha-os vedados.
  • Jogue no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos, garrafas vazias etc.
  • Mantenha o saco de lixo bem fechado e fora do alcance de animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana. Não jogue lixo em terrenos baldios.
  • Lave, principalmente por dentro, com escova e sabão os utensílios usados para guardar água em casa, como jarras, garrafas, potes, baldes etc.
  • Troque diariamente a água dos bebedouros de animais e aves e limpe-os com escova ou bucha.
  • Depressões de terreno também são possíveis poças de água parada. Preencha-os com areia ou pó de pedra.
  • Mantenha caixas d’água, cisternas, tonéis e outros depósitos de água sempre bem fechados, com a tampa adequada, para impedir a entrada do mosquito.
  • Entregue pneus velhos ao serviço de limpeza urbana ou guarde-os sem água em local coberto e abrigados da chuva.
  • Guarde as garrafas vazias sempre de cabeça para baixo e de preferência em local coberto.
  • Limpe constantemente as calhas, remova tudo que possa impedir a passagem da água, a laje e a piscina de sua casa.
  • Instale a caixa do ar-condicionado de forma que esta não possa acumular água.
  • No alto de lajes e telhas também pode haver água parada. Caso more em apartamento, peça ao porteiro que verifique o acúmulo de água no terraço.
  • Suspeite de garagens e subsolos. Confira se a água da chuva que cai nas calhas circula.
  • Evite ter bromélias em casa. Mantendo-as, é indispensável tratá-las com água sanitária na proporção de uma colher de sopa para um litro de água, regando, no mínimo, duas vezes por semana. Tire sempre a água acumulada nas folhas.

8. Como escapar dos mosquitos?

Para além dos cuidados com os criadouros, existem meios de espantar os mosquitos.

  • Espirais ou vaporizadores elétricos: devem ser colocados ao amanhecer e/ou no final da tarde, antes do pôr do sol, horários em que os mosquitos mais picam.
  • Mosquiteiros: devem ser usados principalmente nas casas com crianças, cobrindo as camas e outras áreas de repouso, tanto durante o dia quanto à noite.
  • Repelentes: podem ser aplicados no corpo, mas devem ser adotadas precauções quando utilizados em crianças pequenas e idosos, em virtude da maior sensibilidade da pele.
  • Telas: usadas em portas e janelas, são eficazes contra a entrada de mosquitos nas casas.
  • Ar-condicionado: inibe o mosquito, pois baixa a temperatura e a umidade do ar, mas não o mata. Ele tem mais dificuldade para detectar onde estará a possível vítima de sua picada. Estes aparelhos apenas espantam o mosquito que poderá voltar em outro momento quando eles estiverem desligados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *