Relatório do Inea mostra Praia do Flamengo própria para banho pela quarta semana consecutiva

Ações da Águas do Rio, como a instalação de estação elevatória de esgoto na Praça do Índio, naquele bairro da Zona Sul carioca, contribuem para o resultado

O carioca que ama praia ganhou mais uma opção para curtir suas horas de lazer onde mais gosta. Tudo porque, de acordo com o último relatório de balneabilidade do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Praia do Flamengo, na Zona Sul da capital, está própria para o banho pela quarta semana consecutiva – durante décadas, o local sofreu com a poluição, o que afastou banhistas e praticantes de esportes. E essa boa notícia é resultado de importantes ações realizadas pela Águas do Rio, que evitaram o deságue diário de cerca de 22 milhões de litros de água contaminada com esgoto naquele trecho do litoral.

Entre as iniciativas bem-sucedidas estão a implantação de uma estação elevatória de esgoto na Praça do Índio; o desvio do Rio Carioca para o Interceptor Oceânico e o desassoreamento de sistemas.

“Ficamos muito felizes em receber, pela quarta vez seguida, um boletim do Inea atestando a balneabilidade da Praia do Flamengo. Isso se deve ao trabalho consistente na área de esgotamento sanitário na região. Além da instalação da elevatória de esgoto e do desvio do Rio Carioca, temos atuado constantemente com ações de fiscalização para combater o despejo irregular de esgoto por parte de edifícios e comércios, com apoio do Inea e da Patrulha Ambiental do município, além do desassoreamento de sistemas de esgotamento e galerias de águas pluviais na região do Catete, em trabalho conjunto com a Fundação Rio Águas”, destacou Sinval Andrade, superintendente da concessionária.

Estação Elevatória de Esgoto

Inaugurada em setembro do ano passado, a estação elevatória de esgoto na Praça do Índio, que funciona como unidade de bombeamento, desvia para o Interceptor Oceânico cerca de 60 litros por segundo de esgoto que seguiam para a Baía de Guanabara, entre as praias do Flamengo e de Botafogo. Para essa mesma tubulação, foi feito o desvio do Rio Carioca, que evita o despejo na baía de 200 litros por segundo, de água contaminada com esgoto. O objetivo é acabar com os derramamentos irregulares e fazer com que o rio volte a desaguar bem mais limpo.

Limpeza do Interceptor Oceânico

O resultado da balneabilidade da Praia do Flamengo também está relacionado à limpeza do Interceptor Oceânico. Em março deste ano, a Águas do Rio concluiu a “faxina” de todo o coletor, realizada pela primeira vez em 52 anos de existência. Cerca de 2 mil toneladas de resíduos foram removidas do túnel de nove quilômetros de extensão, que vai da Glória a Copacabana, devolvendo sua capacidade plena, além da possibilidade de receber mais esgoto e ainda evitar a recorrência de extravasamentos. E isto tem impacto direto no encaminhamento dos rios Banana Podre e Berquó para o Emissário Submarino de Ipanema, evitando a contaminação em tempo seco da Enseada de Botafogo.

Tecnologia a favor do meio ambiente

Por meio do Centro de Operações Integradas (COI) da empresa, que fica no Centro da capital fluminense, a Águas do Rio garante o funcionamento de todas as estruturas que compõem o sistema de esgotamento sanitário da Zona Sul carioca, com monitoramento diário de estações elevatórias de esgoto, podendo atuar de forma rápida no acionamento de equipes operacionais diante de eventuais ocorrências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *