Polícia indicia diretores de empresa de Queimados pela contaminação no Rio Guandu, que deixou 11 milhões sem água

A polícia indiciou quatro pessoas por contaminação do Rio Guandu. O problema aconteceu em agosto do ano passado e causou a paralisação no abastecimento de água na Região Metropolitana do Rio por 13 horas.

Os acusados são sócios e diretores da empresa Burn Indústria e Comércio, de Queimados, na Baixada Fluminense, que fabrica produtos como sabão e lava-louças. Eles vão responder por crime ambiental.

Em nota, a empresa negou relação com o problema e disse que está à disposição para esclarecer o caso (veja a nota completa mais abaixo).

Na época, a Cedae identificou vários focos de espuma branca no manancial e, para garantir a segurança hídrica da população, decidiu fechar preventivamente a captação das piscinas de filtragem, desviando a água suja para as comportas da descarga.

A análise das amostras coletadas na região comprovou que as substâncias emitidas pela Burn eram as mesmas que obrigaram a paralisação no fornecimento de água da maior estação de tratamento de água do mundo.

A Estação de Tratamento (ETA) Guandu abastece 11 milhões de pessoas em 9 municípios:

  1. Belford Roxo
  2. Duque de Caxias
  3. Itaguaí
  4. Nilópolis
  5. Nova Iguaçu
  6. Queimados
  7. Rio de Janeiro
  8. São João de Meriti
  9. Mesquita

Nota da Burn Indústria e Comércio

“Diferentemente do que afirma a investigação policial, a Burn reafirma que não há nenhuma relação entre o seu trabalho na fábrica de Queimados e o episódio na bacia do Rio Guandu. A empresa está em operação há 13 anos no Distrito Industrial e atua dentro dos mais rigorosos padrões técnicos, sob monitoramento e controle permanentes dos órgãos ambientais. Para comprovar que não teve qualquer participação no incidente, a empresa contratou renomados acadêmicos e peritos.

Os laudos técnicos demonstram que a fábrica está a 11 quilômetros de distância do sistema do Guandu seguindo o fluxo do rio e que seria necessário o despejo de 83,5 toneladas de detergente, de uma só vez – o equivalente a 167 mil embalagens – para provocar aquela espuma, considerando a vazão do rio. A Burn segue à disposição das autoridades e colaborando para o esclarecimento dos fatos.”

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *