ONU registra número recorde de migrantes mortos e desaparecidos no Caribe

Os relatos são quase sempre similares: em 31 de dezembro, 18 cubanos foram declarados desaparecidos no mar perto de Havana quando tentavam emigrar para os EUA. Dois dias antes, um cidadão da ilha morreu e outros 15 desapareceram em Matanzas, a leste da capital.

Casos como esses têm se multiplicado. A Organização Internacional para Migrações (OIM), braço da ONU, informou nesta terça-feira (24) que um número recorde de mortes e desaparecimentos de migrantes foi documentado em 2022 nos mares do Caribe: ao menos 321.

A cifra é a maior desde 2014, quando a OIM começou a documentar o fenômeno. No ano anterior, 2021, foram 180 mortos e desaparecidos. Já no acumulado desde o início da contagem, foram ao menos 1.329 vítimas na região. Somente em janeiro deste ano, foram 41.

A maior parte dos migrantes que morreram ou desapareceram era de Haiti (80), Cuba (69), República Dominicana (56) e Venezuela (25), nações que enfrentam graves crises sociais e econômicas, e a principal causa de morte são afogamentos provocados pelas difíceis condições climáticas na região e pela precária condição das embarcações.

Mais da metade das vítimas, porém, não puderam ser identificadas, informou a coordenadora regional da OIM para o Caribe, Patrice Quesada, em um comunicado. “Isso significa que centenas de famílias não têm informações sobre o paradeiro de seus entes queridos.”

Historicamente, a principal rota migratória que observa a morte e o desaparecimento de migrantes é a que sai de Cuba com destino aos Estados Unidos —em 2022, foram 174 casos. Com a grave crise econômica na ilha, acentuada após a pandemia de coronavírus e a unificação das moedas nacionais, o êxodo de Cuba apresentou um salto que também pôde ser observado nas migrações com destino ao Brasil.

Outras rotas migratórias no mundo também denotam preocupação da ONU. A mais expressiva é a do Mediterrâneo, que desde 2014 registrou ao menos 25.413 mortes e desaparecimentos. Na sequência estão as que passam pela África, com 12.257, e, em terceiro lugar, aquelas que estão concentradas nas Américas, com pelo menos 7.253 desde o início do monitoramento.

Historicamente, a principal rota migratória que observa a morte e o desaparecimento de migrantes é a que sai de Cuba com destino aos Estados Unidos —em 2022, foram 174 casos. Com a grave crise econômica na ilha, acentuada após a pandemia de coronavírus e a unificação das moedas nacionais, o êxodo de Cuba apresentou um salto que também pôde ser observado nas migrações com destino ao Brasil.

Outras rotas migratórias no mundo também denotam preocupação da ONU. A mais expressiva é a do Mediterrâneo, que desde 2014 registrou ao menos 25.413 mortes e desaparecimentos. Na sequência estão as que passam pela África, com 12.257, e, em terceiro lugar, aquelas que estão concentradas nas Américas, com pelo menos 7.253 desde o início do monitoramento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.