Mar engole 70 metros de areia em praia de Balneário Camboriú menos de dois anos após obra de alargamento

Menos de dois anos após a conclusão das obras de alargamento da Praia Central de Balneário Camboriú (SC), um trecho de 70 metros da areia foi engolido pelo mar. Segundo a prefeitura, a situação já era prevista, por causa da dinâmica da praia naquele trecho, e uma obra de contenção foi contratada.

A erosão aconteceu em uma área de cerca de 200 metros, no final da praia, na Barra Sul. Esse trecho recebeu um alargamento maior do que o restante da praia, justamente por causa desse risco: enquanto a Praia Central teve sua faixa de areia aumentada de 25 para 70 metros, a faixa na Barra Sul chegou a 180 metros. Agora, está com 110 metros, após o avanço do mar nas últimas semanas.

Depois de anos de debate, a prefeitura de Balneário Camboriú realizou a obra de alargamento da Praia Central, a “Dubai brasileira”, em 2021, num projeto que estava orçado em R$68 milhões . Nos últimos anos, a praia estava sumindo, enquanto arranha-céus aglomerados junto ao mar formavam um paredão de sombra. Segundo especialistas, o crescimento urbano desenfreado ao longo das décadas, que destruiu vegetações de restingas e bloqueou a saída de rios, foi a causa do desaparecimento da praia.

Procurada, a prefeitura explicou que a erosão no trecho final da praia, mesmo após o projeto, já era prevista e vinha sendo monitorada. Em breve, será uinicada uma obra de contenção com geotubos no local

Perda de 15% de praias e dunas

Segundo levantamento do MapBiomas, no período entre 1985 e 2021, o Brasil perdeu 15% de suas praias e dunas, diante do avanço das cidades sobre o litoral. Por isso, uma das consequências vistas no país é a proliferação de obras de proteção costeira.

Os projetos avançam à medida que cientistas alertam para os efeitos das mudanças climáticas. Projetos de alargamento de areia já foram feitos, por exemplo, na Praia de Camburi, em Vitória (ES), Praia de Canavieiras (SC) Praia Central de Balneário Piçarras (SC), Praia de Jaboatão dos Guararapes (PE), Praia dos Diários e Praia do Náutico (CE).

Um exemplo inverso é João Pessoa, na Paraíba, considerado uma referência ambiental por ter, ao longo dos anos, preservado suas características originais e suas dunas, o que a livrou de intervenções mais drásticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *