Felipe Bronze diz que nasceu de novo após reagir a assalto na Zona Norte: ‘fui imprudente’

O chef de cozinha e apresentador de televisão Felipe Bronze afirmou ao RJ2 que não morreu por sorte, na noite da última sexta-feira (10), quando foi assaltado e teve seu carro roubado, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio.

Diante da ação planejada e rápida dos criminosos, Felipe Bronze fez o que todo especialista em segurança aconselha que não se deve fazer em momentos como esses. Ele reagiu, acabou agredido e ameaçado pelos assaltantes que colocaram uma arma na sua cabeça.

“Eu considero que nasci de novo, sorte é apelido. Fui muito imprudente. Não façam isso em nenhuma hipótese. (…) Mesmo tendo domínio da ação, não sabe o entorno e não vale a pena”, orientou Bronze.

“Eu não fiz isso pensando em bem material. Eu achei que ele queria me sequestrar. (…) Meu medo foi sequestro. Se ele tivesse dito, quero seu carro, eu teria saído. Tudo muito rápido”, completou o chef.

Felipe disse ter sido vítima de um golpe. Segundo ele, os criminosos atuaram em conjunto. Primeiro, a moto bateu em seu retrovisor, fazendo com que o chef precisasse abrir seu carro blindado para arrumar o equipamento. Nesse momento, o segundo assaltante surgiu armado.

“Eu só abri a porta para girar de volta o retrovisor. Meu carro é blindado, eles sabem que o carro é blindado. Quando eu abri um pouco, o cara com a arma apareceu. Eu tentei fechar a porta rapidamente. Foi imprudente da minha parte”, contou Felipe.

Na sequência, o chef viu o assaltante apontar a arma na sua direção e foi ai que ele reagiu. Felipe disse que se arrependeu imediatamente de tentar impedir o assalto.

“Ele veio com a arma na minha cara. Por instinto, eu bati o punho dele. Nesse momento, ele se assustou. Nessa hora, eu mesmo me arrependi. (…) Ele encostou aqui e gritaram: ‘Você é polícia?’. Foi a primeira vez que eu achei que fosse morrer”, disse Felipe.

Antes de conseguir responder que não era policial, Felipe levou uma coronhada na cabeça. O criminoso colocou Felipe no chão e novamente apontou a arma para a sua cabeça.

“Foi a segunda vez que eu pensei que fosse morrer”, recordou.

 

Ajuda de desconhecido

No chão, Felipe viu seu carro ser levado pelos criminosos, ainda sem saber o que tinha acontecido ou onde estava.

O chef ficou desnorteado com toda sequência de violência que sofreu. Ele levantou do chão ainda sem saber para onde ir ou como pedir ajuda. Segundo ele, alguns carros passaram, viram a situação, mas não pararam para ajudar.

“Fiquei sem nada, sem documento, sem direção. (…) A Thais parou o carro e buzinou. Ela é uma personal trainer, vou convidar ela pra jantar no meu restaurante. Ela me acalmou muito. Ela é casada com policial”, contou o chef de cozinha.

 

A personal trainer que ajudou Felipe o levou até a 20ª DP (Vila Isabel), onde o crime foi registrado.

Carro abandonado na Av. Brasil

No dia seguinte ao assalto, menos de 24 horas depois, Felipe recebeu a notícia de que seu carro havia sido encontrado. O veículo foi abandonado pelos criminosos na Avenida Brasil, na altura do Conjunto Esperança, que faz parte do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio.

Um trabalho em conjunto entre agentes da 20ª DP (Vila Isabel) e PMs do 6º batalhão (Tijuca) descobriu que o carro roubado seria levado para a comunidade Parque União, também no Complexo da Maré.

Com a informação, os policiais civis e militares realizaram um cerco na Avenida Brasil e os marginais abandonaram o veículo antes de chegarem na comunidade. Os criminosos fugiram para o interior da favela. Ninguém foi preso.

“Aquele filme de terror que teve início ontem, teve aqui um final mais feliz ainda do que foi eu ter saído com vida. O meu carro foi achado intacto, dentro do possível, ele passou na mão de um monte de bandido. Mas foi um trabalho brilhante, inacreditável, em menos de 24 horas”, comentou o chef.

 

Após buscar seu carro, Felipe também fez questão de agradecer e elogiar o trabalho das polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro.

“A Polícia Militar, em conjunto com a Polícia Civil, achou meu carro. Eu queria dar os parabéns pra todo esse timaço, especialmente para o coronel Luciano, do 6º batalhão, e pro Marcelo Sampaio, comissário aqui da 20 DP. Obrigado”, disse Felipe Bronze.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *