13 de julho de 2024

TV Prefeito

Portal de notícias dos municípios com videos e entrevistas. Cobertura diária das cidades das regiões: Metropolitana, Serrana, Lagos, Norte, Noroeste, Médio Paraíba e Centro Sul do estado do Rio de Janeiro. O melhor da notícia está aqui.

Câmara deve ouvir Marina Silva por poço de Petróleo indeferido na foz do Rio Amazonas

A ministra Marina Silva deverá ser ouvida na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados para explicar o indeferimento da licença da Petrobras para a exploração de um bloco de petróleo na Foz do Rio Amazonas. O autor do requerimento, deputado Júlio Lopes (PP-RJ), encaminhou nesta sexta-feira, dia 19, para a presidência da Comissão a convocação da ministra para que ela possa ser ouvida sobre o assunto. De acordo com o parlamentar, o pedido para a licença foi feito em 2014, mas somente agora foi julgado.

“Não faz sentido essa posição da ministra. Precisamos saber em que a negativa para a licença foi baseada, já que hoje as novas tecnologias garantem que a possibilidade de um desastre ou qualquer outra ocorrência seja praticamente nula. É importante que possamos entender os reais motivos para a objeção da ministra, pois essa decisão fará com que o país deixe de explorar riquezas que podem ser revertidas em melhoria da educação, da saúde, em pesquisa e até se transformar em liderança energética do mundo”, disse.

Júlio lembra ainda que o processo de licenciamento ambiental do referido bloco foi iniciado em 2014 a pedido da BP Energy do Brasil, empresa originalmente responsável pelo projeto, e em dezembro de 2020 os direitos de exploração de petróleo no bloco foram transferidos para a Petrobras, que afirma ter atendido rigorosamente todos os requisitos do processo de licenciamento. O parlamentar destaca que precisamos, enquanto país, observar o grande avanço das tecnologias adotadas na exploração. Segundo ele, o que não se pode admitir é a queima do carvão que aumenta exponencialmente em relação à década de 90. Acrescentou ainda ser necessário investimentos na geração de energia limpa, mas que no período de transição, o Brasil não pode deixar para trás os projetos que já estão em curso.

“Estamos trabalhando muito pela evolução energética, mas é preciso ter bom senso. Não faz sentido abandonar as pesquisas e estudos para geração de petróleo, já que o temos no nosso territorio. Há medidas que podem ser tomadas no sentido de controle ambiental e qualidades. Há parâmetro desenvolvidos pela  International Organization for Standardization(ISO) para que se tenha normas a serem observada para haja uma gestão ambiental e de sustentabilidade. É nesta direção que podemos e devemos seguir”, explicou.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *