Alerj se despede do deputado Otoni de Paula Pai com velório no Palácio Tiradentes

Deputados irão conceder Medalha Tiradentes post-mortem ao parlamentar.

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) se despediu, nesta terça-feira (28/05), do deputado Otoni de Paula Pai (MDB), que faleceu aos 71 anos, na madrugada de segunda-feira (27/05), depois de uma luta de seis meses contra um câncer no fígado. O corpo foi velado no Plenário Barbosa Lima Sobrinho, no Palácio Tiradentes, sede histórica do Parlamento Fluminense. Otoni Pai será homenageado com a Medalha Tiradentes post-mortem, maior honraria da Alerj, através de projeto de resolução assinado por todos os deputados da Casa.

O presidente da Alerj, deputado Rodrigo Bacellar (União), externou sua emoção e ressaltou que Otoni Pai manteve-se com um sorriso no rosto mesmo enquanto enfrentava a doença. “O que fica da vida são as lembranças do dia a dia, a cumplicidade, a amizade e é isso que vou guardar do Otoni. Vou lembrar sempre da figura dele sorrindo para mim, brincando comigo, puxando minha orelha e, como última recordação, numa manhã de sábado, no hospital, em que ele era o mais sensato de todos e seguia perseverante”, disse.

A segunda vice-presidente da Casa, deputada Tia Ju (REP), ressaltou o legado deixado por Otoni de Paula Pai e anunciou que o Parlamento irá homenageá-lo com a Medalha Tiradentes. “Vamos conceder, com a assinatura dos 70 deputados, a maior honraria da Casa ao Otoni para que fique registrado nos anais da Alerj. O nome de Otoni de Paula Pai será eternizado porque ele honrou seu mandato com muito carinho e determinação”, enfatizou.

A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades políticas, dentre elas o vice-governador do Estado, Thiago Pampolha (MDB), e o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD). “O sentimento é de perda e tristeza. O Otoni irradiava alegria por onde passava”, salientou Pampolha. “Meu amigo Otoni servia com dedicação à sua cidade e ao seu país. Só tenho a agradecer por tudo que ele fez pelo Rio”, acrescentou Paes.

Também participou da cerimônia o suplente de deputado estadual, Rafael Picciani, que assumirá uma cadeira na Alerj pelo MDB, após a morte de Otoni de Paula Pai. Ele exaltou a vitalidade e dedicação do parlamentar e recordou do falecimento de seu pai – o ex-presidente da Alerj Jorge Picciani – há cerca de três anos. “A dor não cessa, mas o orgulho de saber que as raízes das sementes que eles semearam são fortes e vão resistir é o que nos ajuda a confortar. Aqueles que tiveram a oportunidade de conviver com o deputado Otoni sabem da sua empatia e amor ao próximo”, comentou.

A Alerj decretou luto oficial de três dias pela morte do parlamentar e suspendeu todas as atividades previstas para esta terça-feira.

Pai presente e temente a Deus

O parlamentar era pai do deputado federal Otoni de Paula (MDB-RJ) e de Renato de Paula, sendo uma figura inspiradora para sua família e para todos aqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-lo e trabalhar ao seu lado.

Emocionado, o deputado federal destacou a união das trajetórias política e familiar de seu pai. “Este homem está com o Senhor. Nunca vi nenhum relacionamento com maior cumplicidade quanto o de meu pai e minha mãe. O maior sonho dele era a realização do centenário das Assembleias de Deus aqui no Estado e seguiremos em frente em nome dele”, frisou Otoni de Paula.

Assim como ele, o outro filho Renato destacou a devoção que o pai tinha por Deus, mostrando-a nas suas relações com os demais, com a igreja e com a arte. “Meu pai não precisou de muito para entrar em cada vida aqui, ele era intenso demais. Quem não conhece a carreira musical do papai, busquem e ouçam. Talvez seja o cantor gospel que mais cantou o céu, ele sonhava com o céu sempre. Ele tinha saudade do céu”, contou, em meio à emoção.

A viúva de Otoni de Paula Pai, Fátima de Paula, destacou o amor que recebia do marido há 48 anos e pontuou a devoção do deputado à Assembleia de Deus, igreja que comemora 100 anos de existência no Rio de Janeiro, em 2024. Otoni foi autor da Lei 10.302/24, que reconheceu o Ano do Centenário das Assembleias de Deus no Estado do Rio de Janeiro.

“Eu acreditei que Deus não ia deixá-lo ir embora porque ele tinha uma missão. Ele desejou tanto a honraria de ser deputado para poder proporcionar à nossa denominação os 100 anos. Ele não poderá estar lá, mas deixou tudo organizado. Obrigada por amarem e respeitarem meu marido, que foi um grande pai”, comentou.

Trajetória política

Nascido em Magé/RJ, em 3 de janeiro de 1953, Otoni de Paula Pai deixa um legado marcante na política fluminense e no serviço à comunidade. Otoni Pai dedicou sua vida ao bem-estar dos cidadãos, iniciando sua trajetória política em diversos partidos, incluindo PTdoB, PL, PR, PSC, Solidariedade e, mais recentemente, o MDB. Entre 1988 e 1992, Otoni Pai foi vereador em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Em 2022, foi eleito deputado estadual pelo Rio de Janeiro com 41.932 votos, desempenhando seu mandato com dedicação até os últimos dias. Na Alerj, era presidente da Comissão de Defesa Civil da Casa e se notabilizou por ser um parlamentar que se posicionava em favor da vida, da família e dos valores conservadores.

“Por mais contraditório que possa parecer, o sentimento é de alegria porque foi isso que ele sempre passou para a gente. Otoni cumpriu sua missão de ser deputado, depois de ser vereador e sacerdote. Deixou um legado na família, com filhos e netos dignos e uma esposa por quem tinha uma enorme devoção. Vai deixar muita saudade, mas também muito ensinamento. A gente te ama”, reforçou o deputado Rodrigo Amorim (União), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alerj.

Para os demais deputados, Otoni era visto como o “Paizão” pelo seu caráter agregador e espirituoso. “Era uma pessoa que só trazia felicidade para gente, só trazia alegria, amava todos realmente e era chamado de Paizão justamente por isso, porque ele acolhia a todos. E as pessoas falam que ninguém é insubstituível, mas eu posso arriscar que ele é sim”, disse a deputada Índia Armelau (PL), que está em seu primeiro mandato, assim como Otoni.

A personalidade de Otoni marcou até mesmo os parlamentares mais antigos da Alerj, como o deputado Luiz Paulo (PSD). “Convivo com ele só há um ano e três meses e foi um relacionamento extremamente gratificante. O Otoni sempre esteve presente em plenário, com uma fé inabalável, uma alegria contagiante e eu confesso que, ao longo dos meus 78 anos, jamais vi encarar a doença e a possibilidade da morte com tanta dignidade e tanta fé. Tenho certeza absoluta de que Deus e ele estão juntos”, disse.

No Parlamento, Otoni fez amigos que foram além da política, como destacou o deputado Thiago Gagliasso (PL), com quem ia aos jogos do Flamengo no Maracanã. “Meu parceiro de Maracanã vai fazer muita falta. Esse cara é tão forte que nunca demonstrou os efeitos da doença. Em pouco tempo de Alerj, ele me ‘adotou’. O Otoni me tratava como filho, brincava falando de futebol e a gente sempre se divertiu bastante. Foi um carinho de primeira. Que Deus conforte a sua família”, observou.

Veja o que disseram os demais deputados:

Brazão (União): “Que Deus abençoe a família e acalme seus corações. Que o Otoni possa estar sempre perto de vocês”.

Chico Machado (SDD): “É um dia de tristeza, mas também de muita alegria. Nesses últimos meses a gente teve a oportunidade de ver o quanto a família é importante. O que mais me tocou nisso tudo foi o amor dos filhos, Otoni Filho e Renatinho, e dona Fátima. É um momento em que a gente tem que repensar as nossas prioridades. O mandato é importante para fazer o bem à sociedade, mas temos que dar valor à nossa família e aos verdadeiros amigos”.

Danniel Librelon (REP): “Mesmo enfrentando essa luta toda, ele nunca se mostrou para baixo, sempre alegre e cumprimentando a todos, disposto a fazer o bem sempre. A lembrança que eu tenho dele é a alegria que carregava. Ele combateu o bom combate, completou a carreira e, acima de tudo, guardou a fé. Homem valente, determinado e feliz”.

Dr Serginho (PL): “Não houve um dia sequer no plenário que esse homem não tenha me trazido uma mensagem de alegria, de conforto, de Deus. Espero que a história de vida dele possa confortar o coração da família neste momento”.

Fábio Silva (União): “Hoje, a gente chora aqui pelo Otoni, mas ele está nos braços do Senhor. É isso que nos conforta. Quero externar meus mais profundos sentimentos”.

Giselle Monteiro (PL): “Sempre tivemos muito carinho um com o outro. Minha família também está com o coração apertado, mas seguimos em oração, contem conosco”.

Samuel Malafaia (PL): “Conheci o Otoni há cinquenta anos e quando chegou na Alerj eu disse a ele que Deus o enviou para cá. É uma perda lamentável, que sentimos muito. Espero que o Senhor possa confortar a família”.

Também participaram da cerimônia os deputados Carlos Macedo (REP), Célia Jordão (PL), Cláudio Caiado (PSD), Dr. Pedro Ricardo (PP), Elika Takimoto (PT), Filippe Poubel (PL), Franciane Motta (Pode), Fred Pacheco (PMN), Jair Bittencourt (PL), Julio Rocha (Agir), Léo Vieira (REP), Lucinha (PSD), Marcelo Dino (União), Martha Rocha (PDT), Renan Jordy (PL), Rosenverg Reis (MDB), Thiago Rangel (PMB), Val Ceasa (Patriota), além de ex-deputados, autoridades fluminenses, lideranças religiosas, amigos e familiares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *