Xerém-Sapucaí, via Caxias! Na levada do pagodinho do Zeca, Grande Rio quer o bi

“Ô, Zeca, o pagode onde é que é?”. De acordo com o título do enredo da Grande Rio, ele vai ser lá na Passarela do Samba. Após ganhar o tão sonhado primeiro troféu, a tricolor de Caxias já está com sede de gritar, com um copo de cerveja na mão, o bicampeonato escrito em uma faixa amarela, com a homenagem ao mestre Zeca Pagodinho. A escola é a segunda a desfilar no domingo (19), entre 23h e 23h10.

O enredo se aventura no estilo do artista que, segundo relata o carnavalesco Leonardo Bora, ainda nos anos 80 era chamado de Noel Rosa do Irajá, que, assim como o poeta da Vila, tinha forte ligação com o território e era um cronista do cotidiano. A característica de andarilho musical permite pensar, a partir de cada lugar, os subúrbios do Rio, a Baixada, o modo de vida do samba, seu espírito inconfundível de um filho dessa terra; um quase “Zeca way of life”, como diz o enredo. Ou um “Deixa a vida me levar”, como o próprio homenageado cantou e canta até hoje.

“Será uma obra bastante metalinguística, sobre viver e fazer o gênero musical”, detalha Bora, autor do enredo com o parceiro Gabriel Haddad.

A escola faz quase que uma ode ao Carnaval e ao Rio, por assim dizer. Uma celebração ao samba, a folia que retorna a fevereiro, sua data costumeira. Assim como festeja também a memória de todas as escola de samba.

“Vai ter nossa saudação à Portela, a mais jovem reverenciando a mais antiga”, comenta o carnavalesco.

Zeca, como se sabe, é torcedor declarado da azul e branco de Oswaldo Cruz. No samba, também nota-se referências à carreira do cantor, como o Cacique de Ramos, berço de muitos bambas do samba carioca, como também a madrinha Beth Carvalho, responsável direta no início do trabalho do artista.

Buscando alcançar um feito que não é visto desde 2007/2008, a Grande Rio vai com tudo em nome do segundo caneco consecutivo. Após o enredo histórico sobre Exu, a agremiação quer repetir a dose com um trabalho, segundo eles, muito pé no chão voltado para a base da escola.

“Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A gente quer que o Zeca seja muito diferente do Exu, mas tão potente quanto”, crava Bora.

Cante com a Grande Rio

Compositores: Gustavo Clarão, Arlindinho Cruz, Jr. Fraga, Claudio Mattos, Thiago Meiners e Igor Leal
Intérprete: Evandro Malandro

“Ô, Zeca, tu tá morando ondé?”
Saí com meu povo a te procurar…
Botei minha cerva na encruzilhada
Pra moça da saia rodada e pro “ôme” da capa
Cadê você?
É alvorada do seu padroeiro
Pra agradecer
Ao mensageiro de São Jorge Guerreiro
Tem patuá pra proteger
E tem mandinga no Velho Engenho
Quem tem um santo poderoso que é Ogum?
Eu tenho!

Nas bandas do Irajá, gelada no botequim
Assim vou vadiar até no gurufim
Se tem patota, Ibeji e ajeum
Salve Cosme e Damião, Doum!

Ê que bela quitanda, quitandinha de Erê!
Seu balancê
Tem quitandinha de Erê!

Passei procurando na feira
Em Del Castilho e na Tamarineira
E na gafieira, boêmios, malandros
Pelos sete lados eu vou te cercando
Jessé! Jessé!
Fiz um pagode pra Madrinha, salve ela!
Saudei a voz da Velha Guarda da Portela
E lá na roça vi florir um Carnaval…
Zeca!
Levante o copo para o povo brasileiro
Te encontrei nesse terreiro
Xerém é o seu quintal!

Deixa a vida me levar
Onde o samba tem valor…
Meu candiá
Encandeou!
Sou Grande Rio carregado de axé
Minha gira girou na fé

Ficha Técnica

Enredo 2023: “Ô Zeca, o pagode onde é que é? Andei descalço, carroça e trem, procurando por Xerém, pra te ver, pra te abraçar, pra beber e batucar!”
Carnavalescos: Leonardo Bora e Gabriel Haddad
Diretor de Carnaval: Thiago Monteiro
Intérpretes: Evandro Malandro
Mestre de Bateria: Fafá Machado
Rainha de Bateria: Paolla Oliveira
Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Daniel Werneck e Taciana Couto
Comissão de Frente: Hélio e Beth Bejani

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *