No 2º dia de operação conjunta na Maré, polícia retoma clube onde tráfico montou ‘centro de treinamento’

As forças de segurança iniciaram nesta terça-feira (10) o 2º dia de operações conjuntas contra o tráfico de drogas no Rio. Pela manhã, policiais retomaram, no Complexo da Maré, o clube que tinha sido transformado em um “centro de treinamento tático”.

Desta vez, cerca de 1.000 homens das polícias Civil e Militar foram para comunidades da Maré dominadas pelo Terceiro Comando Puro (TCP), facção criminosa responsável pelas “aulas”. A operação é em 8 localidades, entre elas a Vila do João e a Vila dos Pinheiros. São 54 mandados de prisão a cumprir.

“É uma resposta do Estado principalmente por devolver esse espaço público, que ficou emblemático com a piscina, aos moradores, às crianças e à comunidade”, disse José Renato Torres, secretário da Polícia Civil, ao g1. “Ontem atacamos uma facção e hoje estamos atacando outra. O cerco acontece desde a madrugada”, emendou.

Outros endereços

Agentes também voltaram à Cidade de Deus, um dos alvos desta segunda-feira (9), e foram para o Complexo da Pedreira — ali, a fim de pegar os homens que detonaram uma bomba caseira em um ônibus.

No 1º dia, após intensos tiroteios em diferentes pontos da capital — controlados pelo Comando Vermelho (CV) —, 9 pessoas foram presasentre elas um PMDois corpos foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, mas não se sabia se havia relação com a operação. Além disso, 2 helicópteros acabaram atingidos por tiros e tiveram de pousar.

Fantástico de 24 de setembro exibiu o resultado de uma investigação sobre o “curso prático de táticas de guerrilha”.

A investigação da Polícia Civil, que durou dois anos, reuniu imagens de bandidos fortemente armados recebendo treinamento em vários momentos do dia, inclusive à noite com simulação de uso de bombas.

Os agentes identificaram pelo menos 400 bandidos do TCP da área do clube. A Polícia Civil monitorou, no total, 1.125 traficantes, milicianos e pessoas ligadas às atividades criminosas na Maré. Eles foram indiciados por tráfico de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa.

Clube que o tráfico tomou e fez um centro de treinamento foi recuperado — Foto: Divulgação/Rogério Santana

Clube que o tráfico tomou e fez um centro de treinamento foi recuperado — Foto: Divulgação/Rogério Santana

Um complexo, várias facções

 

Várias facções estão no Complexo da Maré, que tem mais de 140 mil moradores. De acordo com o mapeamento dos policiais, o Terceiro Comando Puro domina a maior parte da região, inclusive o centro de treinamento.

O TCP controla a Vila do JoãoVila dos PinheirosConjunto PinheiroBento Ribeiro DantasSalsa e MerengueBaixa do SapateiroConjunto Esperança e Timbau.

As comunidades da Nova Holanda e Parque União estão sob o jugo do Comando Vermelho, outra facção de traficantes e alvo da operação de segunda-feira.

A Maré ainda tem uma parte tomada por milicianos: Roquete Pinto e Piscinão de Ramos.

Como foi o 1º dia

Nesta segunda-feira (9), cerca de 1.000 homens das polícias Civil e Militar tentaram prender os principais chefes do Comando Vermelho (CV), a maior facção do tráfico de drogas do estado. Equipes foram para a Maré, para a Penha e para a Cidade de Deus, comunidades dominadas pelo CV.

Inicialmente, o governo do RJ tinha informado que os agentes saíram com “pelo menos 100 mandados de prisão”. À noite, quando saiu o balanço da operação, o número foi corrigido para 60dos quais 6 foram cumpridos — outros 3 foram pegos em flagrante.

Homens do Bope e da Core (tropas de elite da Civil e da PM) e de delegacias especializadas foram para as seguintes localidades:

  • Complexo da Penha: Vila Cruzeiro;
  • Complexo da Maré: Nova Holanda e Parque União;
  • Cidade de Deus.

Crianças sem aula

A megaoperação policial provocou o fechamento de 70 unidades de ensino municipais e estaduais, afetando 23.360 alunos.

A maioria das unidades que tiveram o funcionamento afetado é da Secretaria Municipal de Educação. A pasta comunicou que 66 escolas foram fechadas. Dentre essas, apenas 9 fizeram atendimento remoto.

Já a Secretaria de Estado de Educação informou que precisou parar as atividades em 4 unidades.

Na Escola Municipal Vereadora Marielle Franco, no Conjunto Esperança, na Maré, policiais civis encontraram um fuzil, drogas e carregadores.

Droga superponte

 

Registro de apreensão feito na Nova Holanda — Foto: Divulgação Governo do Estado do RJ/Rogério Santana

Registro de apreensão feito na Nova Holanda — Foto: Divulgação Governo do Estado do RJ/Rogério Santana

Também no 1º dia, forças de segurança apreenderam o que seriam amostras de fentanil, um anestésico 50 vezes mais viciante que a heroína e 100 vezes mais forte do que a morfina. O material estava em uma casa na Nova Holanda e foi levado para a Cidade da Polícia, onde passará por perícia.

Se confirmada, essa será a primeira apreensão de fentanil no Rio de Janeiro, droga que virou epidemia nos Estados Unidos e mata quase 300 pessoas por dia.

O fentanil já havia aparecido no Brasil em uma apreensão, em março deste ano, no Espírito Santo, realizada pela Polícia Civil daquele estado.

Casa onde estaria a droga — Foto: Divulgação Governo do Estado do RJ/Rogério Santana

Casa onde estaria a droga — Foto: Divulgação Governo do Estado do RJ/Rogério Santana

O balanço do 1º dia

 

Locais descobertos

  • Um laboratório de refino de drogas e fabricação de explosivos no Parque União;
  • Um depósito de medicamentos, drogas e material para preparo na Nova Holanda.

 

Barricadas retiradas

  • 29 toneladas de barreiras no Parque União e na Nova Holanda.

 

Drogas apreendidas

  • Aproximadamente 100 quilos de pasta-base de cocaína em um galpão próximo à Vila Cruzeiro;
  • Mais de meia tonelada de maconha e drogas sintéticas.

 

Armamento apreendido

  • 1 fuzil 7.62;
  • 1 simulacro;
  • Dezenas de artefatos explosivos.

 

Veículos recolhidos

  • 33 motos e carros.

 

Atuação da Seap nos presídios

  • 58 aparelhos celulares apreendidos em Bangu 3 e Bangu 4.
  • 1 quilo de entorpecente recolhido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *