Fórum da Alerj realiza seminário sobre os desafios dos negócios de impacto socioambiental

O Movimento Rio de Impacto realizou, nesta segunda-feira (23/01), o primeiro dia do Seminário de Negócios de Impacto Social e Ambiental. Com cinco painéis de debate, o evento on-line abordou os desafios do fomento e do financiamento dos negócios de impacto e reuniu instituições que atuam nesse segmento no Brasil e no Estado do Rio. O encontro foi intermediado pela secretária-geral do Fórum da Alerj de Desenvolvimento Estratégico, Geiza Rocha.

O Rio de Impacto foi criado em 2016 e reúne organizações do Estado do Rio que facilitam e fomentam políticas de apoio aos empreendedores, conectam e apoiam a aproximação entre os protagonistas do ecossistema de impacto. “O Rio é o segundo estado do país a possuir uma lei que prevê a criação de um comitê responsável por instituir uma política estadual de investimentos e negócios de impacto. Os negócios de impacto são empreendimentos com o objetivo de gerar efeito socioambiental e resultado financeiro positivo de forma sustentável, explicou Geiza.

O diretor de Tecnologia da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Maurício Guedes, comentou sobre alguns dos projetos financiados pela instituição. “Desde 2019 nós lançamos duas edições para empreendimentos de impacto onde a gente financia tanto empreendimentos como instituições organizadoras. Nós temos um projeto que é a favela inteligente, o conceito de smart city levada para as comunidades carentes no Rio. É um projeto piloto que estamos desenvolvendo na Rocinha”, disse.

Como uma das opções possíveis de financiamento de empreendimentos, foi apresentada a proposta do Banco Acredita, que atua impulsionando pessoas e nego´cios atrave´s do microcre´dito, da capacitac¸a~o, e do acompanhamento das atividades. Um dos projetos contemplados pelo banco foi o Ateliê da Ge, criado pela artesã Germana Alves, que contou que o maior desafio foi a falta de conhecimento para a gestão do seu negócio.

“Na rede Asplande – incubadora de capacitação voltada à empreendedores – eu entendi que eu não era só uma artesã, era uma empreendedora. Mas chegou num ponto em que eu me deparei com algumas questões que na vida a gente não aprende na escola. O brasileiro empreende muito no peito e na raça, mas sem nenhum conhecimento. Meu maior desafio foi a gestão financeira e acredito que seja 99% dos empreendedores. O projeto do banco Acredita que me deu todo o suporte, estrutura e orientação para que isso acontecesse”, comentou Germana.

Os debates seguem nesta terça-feira (24/01), das 9h às 13h30, com a seguinte programação:

1. Desafios do mapeamento dos empreendedores e das instituições dinamizadoras dos negócios de Impacto

Inessa Salomão – Diretora de Administração e Planejamento no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET)
Mônica Linhares – Comunicação e articulação institucional do Grupo de Articulação Pró-Simpacto (GAS)
Mediação: Geiza Rocha – Coordenadora do Rio de Impacto

2. Editais da Faperj e seu impacto no território – case Favela Inteligente
Maurício Guedes – Diretor de Tecnologia da FAPERJ
Roberto Bartholo – Professor Titular do Programa de Engenharia de Produção da COPPE e chefe do Laboratório Tecnologias, Diálogos e Sítios
Dália Maimon – Coordenadora de MBEs no Instituto de Economia da UFRJ
Mediação: Leonardo José – Gerente de empreendedorismo no Centro Integrado de Estudos e Programa de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS)
A voz dos empreendedores locais
Carlos Pedro da Silva – CEO do Grupo Carteiro Amigo
Davison Coutinho – Coordenador do Coletivo Tamo Junto Rocinha

3. Instituições dinamizadoras e seu impacto nas comunidades quilombolas
Bruna Gomes – Coordenadora da ITESS/CEFET-RJ
José Claudio Barros – Gerente da Área de Engajamento Comunitário do CIEDS
Bia Nunes – Presidente da Associação Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro – ACQUILERJ
Renato Kinupa – Representante do Quilombo de Kilombá em Bongaba Magé
André Dias – Fundação Grupo Boticário
Mediação: Geiza Rocha – Coordenadora do Rio de Impacto

4. Painel Investimentos de Impacto, Inovação e Tecnologia Social para as cidades
Marie Anne Macadar – Professora Adjunta Instituto Coppead de Administração da UFRJ
Renata Santos – Pesquisadora Pós-Doc Instituto Coppead de Administração da UFRJ
Natali Emerick – Gerente de Articulações Corporativas do Parque Tecnológico da UFRJ
Pedro Colares – Servidor do Museu Histórico Nacional, Membro da Comissão de Planejamento Estratégico e responsável pela elaboração e acompanhamento do Plano Museológico e Plano de Gestão de Riscos para acervos culturais do Museu Histórico Nacional.
Mediação: Geiza Rocha – Coordenadora do Rio de Impacto

5. Destravando o financiamento da Economia Circular na América Latina e Caribe – O catalisador para uma mudança positiva
Beatriz Luz – Fundadora e Diretora Executiva do Instituto Exchange 4 Change
Eva Schvartz – Sócia Fundadora do Restaurante Olivia
Mediação: Raquel Gomes – Pesquisadora na área de Sustentabilidade e Economia Circular

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.