Força-tarefa inicia nova remoção de embarcações abandonadas na Baía de Guanabara

Uma força-tarefa liderada pela Capitania dos Portos do Rio iniciou, na manhã desta quinta-feira (29), a remoção de cinco embarcações que estavam à deriva na Baía de Guanabara. Esta é a segunda fase da operação, que começou em 17 de maio. O objetivo é retirar 51 barcos abandonados até outubro.
A ação, que acontece sete meses após uma embarcação colidir contra a estrutura da Ponte Rio-Niterói, conta com o apoio de guindastes e acontece no Cais 88 da Ilha da Conceição, em Niterói, na Região Metropolitana.
Todos os cascos são de madeira, sendo que dois estavam submersos na Baía e, devido ao estado estrutural, não é possível identificar o tempo e nem o tipo de embarcação.
Na primeira fase da força-tarefa, um barco abandonado com mais de 22 metros de comprimento foi colocado em caçambas de lixo e levado para um local de descarte. De acordo com a Secretaria de Estado de Energia e Economia do Mar (Seenemar) e o Instituto Estadual de Ambiente (INEA), a previsão é que todos os barcos à deriva sejam removidos até outubro.
Após a colisão do cargueiro São Luís, em novembro de 2022, autoridades portuárias deram início a um levantamento para investigar a situação dos navios atracados próximos à Ponte.
Ainda segundo a Capitania dos Portos, as embarcações fundeadas ao norte da Ponte Rio-Niterói não encontram-se abandonadas e estão regulares, com tripulações completas. A Capitania informou, também, que eles aguardam, por questão operacional, um tempo para conseguir vaga no Porto do Rio.
Susto para motoristas
No início da noite do dia 14 de novembro, o cargueiro São Luís colidiu com um dos pilares que sustentam a Ponte. A embarcação de mais de 200 metros estava fundeada na Ilha do Governador, na Zona Norte, e se desprendeu após fortes rajadas de vento.
A via ficou interditada por cerca de três horas até o resultado final da análise de risco feita pelos engenheiros responsáveis. O navio estava ancorado na Baía há seis anos e a corrosão das amarras pela ação do tempo influenciaram no acidente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *