14 de julho de 2024

TV Prefeito

Portal de notícias dos municípios com videos e entrevistas. Cobertura diária das cidades das regiões: Metropolitana, Serrana, Lagos, Norte, Noroeste, Médio Paraíba e Centro Sul do estado do Rio de Janeiro. O melhor da notícia está aqui.

Caso Edson Davi completa 6 meses: polícia tem afogamento como única hipótese possível e família faz investigação particular

O desaparecimento de Edson Davi Silva Almeida completa seis meses nesta quinta-feira (4), ainda sem um final para as investigações do caso, e com teorias diferentes para a polícia e a família do menino.

Para a Delegacia de Descoberta de Paradeiros, a única linha de investigação restante é que criança se afogou depois de passar o dia circulando na área próxima à barraca onde trabalhava o pai, Edson.

A polícia diz que analisou câmeras em um perímetro de 2km, e nenhuma das imagens indica que o menino saiu da praia. Também foram feitos sobreevoo e o uso de uma câmera termográfica. Segundo a polícia, outras hipóteses fora a do afogamento, foram investigadas, mas não houve indícios de que elas se comprovariam.

Já a família contratou uma investigação particular para verificar a tese de afogamento, que segundo eles, não foi confirmada. Um relatório foi feito e o advogado que representa a família, João Tancredo, quer anexar o documento no inquérito policial. A investigação policial segue na Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

A mãe da criança, Marize Araújo, alega que desde o início acredita que o filho foi raptado, mas que a polícia nunca lhe deu ouvidos.

Ela pediu ajuda para a Polícia Federal e o Ministério Público ajudarem nas investigações, e disse que testemunhas que viram o filho antes do desaparecimento não foram chamadas para prestar depoimento:

” Hoje eu não quero falar como eu sobrevivi o luto de um filho vivo, porque é nisso que eu acredito. Que o meu filho está vivo! Hoje eu quero expressar o tamanho da minha indignação, da minha revolta por falta de respostas, não me conformo com essa investigação sem solução, não me conformo com o descaso com a vida de uma criança de apenas sete anos de idade”, disse ela.

Investigação particular x polícia

O investigador particular Raul Ábacus diz ter ouvido 17 pessoas. A investigação, segundo ele, descartou a hipótese de afogamento, já que todas as testemunhas teriam falado que não viram o menino perto do mar. A família diz que o garoto tinha medo de entrar no mar. A polícia, entretanto, obteve um vídeo onde, segundo investigadores, o menino aparece perto da água no dia do desaparecimento.

Menino Edson Davi sumiu na praia da Barra da Tijuca — Foto: Arquivo pessoal

Para a Polícia Civil, no entanto, as informações que chegaram são diametralmente opostas do é alegado pelo investigador: depoimentos dados à DDPA indicam que o próprio pai da criança e um funcionário da barraca viram o menino na água ou na beira do mar na tarde em que ele desapareceu.

“Nunca houve suspeita de sequestro, pois tecnicamente, pela análise das imagens, ele não saiu da praia. As testemunhas, por sua vez, o colocam indo em direção ao mar, pedindo prancha para ir para a água. A visibilidade dos banhistas à água estava restrita”, explicou a delegada Elen Souto, responsável pelas investigações da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

Denúncias investigadas

Bombeiros fazem buscas pelo menino Edson Davi na Praia da Barra — Foto: Reprodução

Em maio, a mãe de Edson Davi encaminhou à 41ª DP (Tanque) a denúncia que a criança tinha sido vista no Pechincha, em Jacarepaguá, e que testemunhas contaram ter ouvido gritos de socorro com voz infantil, vindos da casa de um casal de idosos.

A Delegacia de Descoberta de Paradeiros foi até o local e não encontrou nenhum sinal da presença de Edson Davi ou qualquer criança no local.

Nos dias seguintes ao caso, a delegacia recebeu e checou denúncias que apontavam que o menino teria sido visto na própria Barra da Tijuca, dois dias depois do desaparecimento.

Foram registradas ainda denúncias de que Edson estaria em Fortaleza, São José dos Campos e em um avião que ia de Recife para Confins, em Minas Gerais.

Neste último caso, a Polícia Federal fez a abordagem de um casal que estava com uma criança parecida com a vítima desaparecida. Edson Davi não foi encontrado em nenhum desses casos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *