Bia Haddad dá sequência a sonho e vai às semifinais em Roland Garros

Beatriz Haddad Maia tinha na edição 2023 do Aberto da França uma vitória suada, sobre a russa Ekaterina Alexandrova, na qual salvou um “match point”. Tinha uma vitória muito suada, na batalha de quase quatro horas com a espanhola Sara Sorribes Tormo.

O que ela não tinha em Roland Garros era uma vitória sobre uma adversária de elite. Agora, tem: eliminou a tunisiana Ons Jabeur, de 28 anos, número sete do mundo, finalista em Wimbledon e no Aberto dos Estados Unidos no ano passado.

Com um triunfo por 2 sets a 1, parciais de 3/6, 7/6 (7/5) e 6/1, em duas horas e 29 minutos, a brasileira de 27 anos se colocou entre as quatro últimas sobreviventes em uma disputa da série Grand Slam, que reúne os quatro maiores torneios do tênis. Nenhuma brasileira havia conseguido isso, na chave de simples, desde que Maria Esther Bueno foi às semifinais no Aberto dos Estados Unidos de 1968.

Incluídos na conta os homens, o jejum datava de 2001, ano em que Gustavo Kuerten conquistou o tricampeonato em Roland Garros. Agora, é a vez de Bia Haddad brilhar na quadra central do complexo parisiense, a Philippe Chatrier, em que estreou nesta quarta-feira (7).

Foi assim que superou o revés no primeiro set, que teve múltiplas quebras de saque, com as tenistas em dificuldade para manter seu serviço. Jabeur conseguiu a última delas, fazendo 5/3, e em seguida sacou bem para fechar a parcial.

A sequência do jogo teve as adversárias bem mais firmes com a iniciativa dos pontos, sem quebras –Bia salvou dois “break points” no 5/5 e perdeu um “set point” quando Jabeur sacava em 5/6. No “tiebreak”, a brasileira foi firme e levou a melhor com uma pancada de esquerda.

A tunisiana já dava sinais de cansaço. Suas bolas curtas foram de recurso surpreendente a muleta para encurtar os pontos. Haddad conseguiu duas quebras e fez 3/0. Levou quebra em seguida, mas logo reagiu. E atropelou rumo ao 6/1.

Beatriz Haddad Maia está entre as quatro últimas sobreviventes de Roland Garros, resultado que quase certamente a colocará no “top 10” do ranking mundial –ela chegou a Paris na 14ª colocação. E, como não ocorre faz 22 anos, vai fazer os brasileiros fãs de tênis acompanharem nervosamente um confronto semifinal de Grand Slam.

O jogo promete ser ainda mais difícil do que os anteriores. Sua adversária sairá do duelo entre a polonesa Iga Swiatek, número um do mundo, e a norte-americana Coco Gauff, sexta na lista da WTA (Associação das Tenistas Profissionais).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *