21 de julho de 2024

TV Prefeito

Portal de notícias dos municípios com videos e entrevistas. Cobertura diária das cidades das regiões: Metropolitana, Serrana, Lagos, Norte, Noroeste, Médio Paraíba e Centro Sul do estado do Rio de Janeiro. O melhor da notícia está aqui.

Barra Mansa realiza eventos em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Atividades aconteceram no Corredor Cultural durante a manhã e na Praça da Matriz à tarde; vice-prefeita Fátima Lima marcou presença na programação

A Prefeitura de Barra Mansa, através do gabinete da vice-prefeita; da Fundação Cultura; das Secretarias de Juventude, Esporte e Lazer; e Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação, além da Gerência de Promoção da Igualdade Racial (Gepir) e do Conselho Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Comuppir), realizou, nesta terça-feira (25), uma série de eventos em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. A programação foi dividida entre os períodos da manhã e da tarde.

Na parte da manhã, o evento ocorreu no Corredor Cultural, no Centro, e contou com um ‘aulão de ginástica’ para o grupo da melhor idade, oficinas de turbante e arte, além de doação de livros fornecidos pela Biblioteca Municipal. Já durante a tarde, a programação foi realizada na Praça da Matriz, contando com show da cantora Cecília Reis e homenagem para as artesãs que trabalham com a temática afro no município.

O presidente da Fundação Cultura, Marcelo Bravo, destacou que esta data é celebrada desde 2017 no município e que este ano a organização prezou uma programação mais participativa. “Nós optamos por incentivar as pessoas, especialmente as mulheres, para que elas pudessem aderir às atividades de esporte, de cultura e outras”, afirmou.
A vice-prefeita Fátima Lima falou sobre a importância desta data para uma reflexão sobre a participação das mulheres negras no continente, principalmente no Brasil.

– Nós participamos da construção do Brasil, demos a nossa vida, nosso sangue para que este país fosse construído. A forma como aconteceu foi muito ruim, pois foi à base de trabalho escravo e, nesse contexto, a mulher sofre mais. A mulher é mãe, tia, avó, filha, esposa e ela recebe toda essa carga, e nós resistimos. A mulher negra tem uma força inexplicável – declarou Fátima.

A pensionista Maria Helena de Oliveira, 71 anos, deu sua opinião sobre as atividades. “É muito bom ver esses eventos acontecendo. Eu participo de todos, pois nós nos reunimos, conversamos com os amigos e as pessoas que organizam e que participam. É uma benção”, comentou a moradora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *