Variante Delta já circula pela cidade do Rio, diz secretário após confirmação de transmissão local

Nova variante facilita conexão do vírus com célula humana; cientistas ainda não sabem como a Delta vai interferir nos rumos da pandemia no Brasil

O secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, afirmou nesta quinta-feira que a variante Delta do coronavírus já circula pelo município. Os dois pacientes infectados com a nova variante foram contaminados na própria cidade, o que indica transmissão local. Os dois homens, de 27 e de 30 anos, moradores dos bairros de Vila Isabel e de Paquetá, respectivamente, não saíram da cidade. Na quinta-feira, a Secretaria municipal de Saúde identificou, após sequenciamento genético, os dois casos de síndrome gripal por Covid-19 relacionados à mutação. Com esses dois casos, são cinco descobertos no estado. Além do Rio, há registros em Campos, Seropédica e São João de Meriti.

— Sabemos que tem transmissão local. Significa que a variante já está circulando na cidade. Eles estão sendo acompanhados e estão curados. Já ultrapassou o período de transmissão, mas estamos fazendo o contato. Sabemos que eles foram infectados no Rio. Estamos acompanhando 40 pessoas ligadas a esses pacientes — disse Soranz.

A Delta, assim como as três demais variantes de preocupação, ganhou atenção ao conquistar espaço em meio a uma nova e pior onda de Covid-19. Na Índia, isso ocorreu principalmente a partir de fevereiro de 2021, embora a circulação tenha iniciado em outubro de 2020. Em meses, ela tornou-se dominante no cenário local e, posteriormente, em países para os quais migrou, em trajetória que lembra a das variantes Alfa (Reino Unido), Beta (África do Sul) e Gama (Amazonas). As mutações que mais chamam a atenção na Delta ocorrem em pontos específicos da proteína spike — o material que forma a coroa do vírus. Essa proteína é o ponto de ligação entre o coronavírus e a célula humana. Com a variação da nova cepa, o vírus faz essa conexão com maior facilidade. Estudos chegam a apontar que ela seja 60% mais transmissiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: