fbpx

Vans são incendiadas em diferentes regiões na Zona Oeste do Rio

Pelo menos sete vans foram incendiadas na manhã desta quinta-feira em cinco bairros da Zona Oeste do Rio, segundo o Corpo de Bombeiros. De acordo com informações recebidas pela Polícia Civil e e pela Polícia Militar, as vans foram queimadas em meio a um guerra entre grupos de milicianos rivais chefiados por Danilo Dias Lima, o Danilo Tandera, e Luis Antonio da Siva Braga, o Zinho. O comércio está fechado em algumas vias da região.

O incêndio dos veículos teria sido ordenado por Tandera em retaliação a dois assassinatos ocorridos, nesta quarta-feira, na Baixada Fluminense. As vítimas seriam igadas a Tandera e foram mortas tiros, no Bairro Marapicu, localizado às margens da Estrada Abílio Augusto Távora. A Polícia Civil investiga ainda a possibilidade de que dois assassinatos, ocorridos também nesta quinta-feira, em Santa Cruz, estejam ligados ao conflito. Os mortos foram atingidos por tiros de fuzil. Os nomes deles não foram divulgados.

Duas vans foram incendiadas na Rua Agai, localizada no Jardim Palmares, em Paciência, na Zona Oeste. Duas vans também foram queimadas na Praça da Alegria, na Estrada do Tingui, em Campo Grande, e uma van foi queimada na Avenida João XXIII, em Santa Cruz. Há ainda outros dois veículos incendiados em bairros não divulgados.

Segundo a Policia Militar, 150 homens com auxíílo de um helicóptero já estão patrulhando pontos de Campo Grande e Santa Cruz. Ao telejornal RJ TV, o tenente-coronel da PM Ivan Blaz afirmou que todo o efetivo que realizava uma operação na Vila Kennedy, em Bangu, foi deslocado para região onde o confronto de milicianos acontece.

— Nossa missão prioritariamente é estabilizar a área. Assim que a PM tomou ciência dos primeiros ataques às vans na região de Campo Grande e Realengo, deslocamos todo nosso efetivo que estava empenhado numa operação na Vila Kennedy para a região ( Campo Grande e Santa Cruz) —disse Blaz.

Na Avenida Brasil, na entrada para a Comunidade dos Jesuítas, a Polícia Militar montou uma blitz. Motoristas que acessam a região são revistados.

Van incendiada ficou completamente destruída
Van incendiada ficou completamente destruída

A Polícia Civil investiga a guerra de milicianos rivais. Grupos de policiais de uma força-tarefa composta por agentes da Draço, do Departamento Geral de Polícia Especializada e da 36ªDP (Santa Cruz) estão sendo mobilizados na investigação.

Às 12h50, não havia vans em circulação nas ruas de Campo Grande e de Santa Cruz. Na Estrada Rio-São Paulo, era possível notar apenas a presença de ônibus. Na estrada Avenida João XXIII, em Santa Cruz, na altura do Residencial Santorini, há uma van destruída pelo fogo. Segundo moradores, que não quiseram se identificar, o automóvel foi incendiado pouco depois das 10h30.

O dono de uma das vans queimadas disse que “não aguenta mais viver nessa situação”.

— Fui abordado pouco depois das 9h45. Tinha passageiros e eu estava indo para a estação de Santa Cruz. Quando passava pela Estrada João Paulo eles mandaram todo mundo descer e atearam fogo. Eu não aguento mais essa vida. Amanhã vou para Minas Gerais com a minha família — afirmou.

Por conta da guerra entre grupos rivais de milicianos, a Rio Ônibus informou que parte da frota que circula na região atingida pelo confronto teve suas linhas remanejadas ou interrompidas para garantia de segurança de passageiros e motoristas. Abaixo, a íntegra da nota enviada pelo sindicato das empresas de ônibus.

“Parte da frota que circula na região afetada teve suas linhas remanejadas ou interrompidas momentaneamente para garantia de segurança de passageiros e motoristas, bem como para evitar atos de vandalismo e incêndios criminosos a ônibus. O Rio Ônibus ressalta a necessidade de maior atenção das forças de Segurança Pública no patrulhamento dos itinerários, permitindo que o transportes da população opere sem danos.”

Recompensa de R$ 5 mil

O Portal dos Procurados oferece R$ 5 mil de recompensa por informações que ajudem a prender o miliciano Tandera, de 37 anos, que é alvo de investigações da Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE). Ele está foragido da Justiça desde novembro de 2016, quando fugiu da Casa do Albergado Crispim Ventino. Sua quadrilha atua em Seropédica, Itaguaí, e em outros pontos da Baixada, como o Bairro K-32, em Nova Iguaçu. Ele é suspeito de lavar dinheiro de atividade criminosa da milícia, adquirindo mansões, cavalos de raça, carros, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: