Toffoli diz que verba estrangeira financiou fake news e atos contra o STF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Dias Toffoli disse que os inquéritos que investigam fake news e manifestações contra a Corte e o Congresso Nacional apontaram que as ações foram financiadas com verba internacional.

A afirmação foi feita em entrevista concedida na noite deste domingo (21.fev.2021) ao Canal Livre, da TV Bandeirantes. Toffoli não detalhou quem são os responsáveis pelo financiamento e como os pagamentos foram feitos.

“Esse inquérito que combate as fake news e os atos antidemocráticos já identificou financiamento estrangeiro internacional a atores que usam as redes sociais para fazer campanhas contra as instituições, em especial o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional”, disse.

O ministro afirmou que a prática serve para “desestabilizar a democracia” no Brasil. Segundo ele, os crimes não foram cometidos por um “grupo de malucos”.

“Há uma organização por trás disso, que ataca inclusive a imprensa tradicional e séria”, disse.

“A história do país mostrou ao que isso levou no passado. Financiamento a grupos radicais, seja de extrema direita, seja de extrema esquerda, para criar o caos e desestabilizar a democracia em nosso país”, afirmou Toffoli.

PF NÃO SUGERE INDICIAMENTO POR ATOS

A Polícia Federal disse, em janeiro, que não encontrou elementos suficientes para indiciar pessoas pelo financiamento ou pela participação nas manifestações contra o Congresso e o STF no 1º semestre de 2020.

A corporação enviou o relatório com as diligências do inquérito ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, que conduz o caso, e à PGR (Procuradoria Geral da República).

O trabalho da PF no inquérito incluiu a intimação do ex-ministro Sergio Moro e depoimentos de 2 filhos do presidente Jair Bolsonaro: o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A corporação também cumpriu mandados de busca e apreensão contra deputados bolsonaristas, blogueiros e militantes, como Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, presa em uma ação dentro do mesmo inquérito.

Em um dos atos, em 19 de abril de 2020, o presidente Jair Bolsonaro participou –e discursou por 2 minutos e 30 segundos.

A manifestação teve como uma das pautas a defesa do AI-5 (Ato Institucional 5), de 1968, uma das medidas mais drásticas da ditadura militar.

INQUÉRITO DAS FAKE NEWS FOI ABERTO POR TOFFOLI

O processo que apura a disseminação de conteúdo falso na internet e ameaças a magistrados foi aberto de ofício (iniciativa própria) por Toffoli.

A decisão unilateral motivou questionamentos, já que na maior parte das vezes o Judiciário só age quando provocado por alguém competente ou pela PGR (Procuradoria Geral da República). O plenário, entretanto, validou o inquérito.

As investigações atingem aliados do presidente Jair Bolsonaro. Em 27 de maio, a Polícia Federal cumpriu dezenas de mandados de busca e apreensão em endereços de empresários, congressistas e influenciadores ligados ao bolsonarismo em vários Estados. A ação foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes. Foi a principal diligência do inquérito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: