Tesouro estima gasto de mais de R$ 700 bilhões com militares inativos

O Tesouro Nacional calculou um custo estimado de R$ 703,8 bilhões ao cofres públicos referente ao pagamento das pensões e dos benefícios futuros de militares ativos e inativos das Forças Armadas. Os dados constam no Relatório Contábil do Tesouro Nacional, divulgado nesta 5ª feira (10.jun.2021). Eis a íntegra (2 MB).

De acordo com o documento, R$ 405,8 bilhões são dos benefícios que devem ser pagos a militares da reserva. Deste valor, R$ 152,9 bilhões são de benefícios a conceder, destinados aos militares de carreiras e temporários em atividades. Outros R$ 252,9 bilhões são referentes a benefícios concedidos aos que estão na reserva ou reforma. Já o impacto das pensões militares pagas e as que serão é de R$ 298,0 bilhões.

As estimativas passaram por alguns aprimoramentos, segundo o Tesouro Nacional. Entre eles, está o uso de “tábuas biométricas” que atribui a probabilidade de continuar recebendo o benefício (probabilidade de sobrevivência) para cada idade dos atuais e futuros recebedores de pensão. Os dados tem como data base 31 de dezembro de 2020.

Desde a última reforma em 2019, o gasto com o pessoal aumentou 17%. Dados do PEP (Painel Estatístico de Pessoal), do Ministério da Economia, apontam que o aumento nas despesas foi de R$ 5,55 bilhões em 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: