TCU abre processo sobre venda de ações da BRF

O TCU (Tribunal de Contas da União) abriu um processo administrativo para analisar a venda de ações da BRF. Em maio, o fundo de pensão Previ, do Banco do Brasil, vendeu parte de suas ações na BRF (dona de empresas como Sadia e Perdigão) para a Marfrig (dona de marcas de carnes como Bassi e Montana), concorrente da empresa.

O processo do TCU foi aberto em junho e conta com a inclusão de reportagens da mídia sobre a venda das ações. Uma delas, da Veja, afirma que parte da participação no frigorífico foi vendida pelo Previ em um momento em que o preço das ações estavam desvalorizadas, considerando o histórico dos últimos anos.

A venda de cerca de 24 milhões de ações da Previ na BRF foi realizada em 21 de maio. A transação fez com que a Marfrig tivesse maior poder de decisão na concorrente. No dia, a Marfrig adquiriu 24,23% da empresa.

Na época, em um comunicado, a Previ afirmou que só conheceu a identidade do comprador depois do fechamento do mercado financeiro. O fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil afirmou ainda que a decisão de vender naquele momento foi tomada depois que as ações da BRF tiveram uma rápida valorização na última semana.

A operação de venda de parte das ações de BRF, além de maximizar os ganhos do investimento, traz também mais segurança para o Plano 1 e, consequentemente, para todos os seus associados”, disse a Previ. O Plano 1 de previdência, segundo o fundo, está “na fase madura”, em que a maioria dos associados já recebem o benefício.

Depois da venda por parte da Previ, a Marfrig ainda adquiriu mais ações da BRF. Em comunicado ao mercado, em 3 de junho, a BRF informa que a concorrente comprou mais participação no frigorífico. A Marfrig passou a ser dona de 31,66% do capital da empresa.

O movimento foi interpretado como o início da fusão dos 2 frigoríficos. Uma fusão das empresas já foi tentada anteriormente, em 2019. Mas as negociações foram interrompidas depois das companhias chegarem a um impasse sobre como a sociedade seria administrada.

No comunicado ao mercado de junho, a BRF afirma que Marfrig declarou não ter a intenção de eleger integrantes para a administração nem promover alterações no controle da empresa. Também não irá ter poder voto. Eis a íntegra (60 KB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: