Sinovac pediu fim de ataques à China para enviar insumos, diz jornal

O presidente da Sinovac, Weidong Yan, teria cobrado uma relação “mais fluída e positiva” entre a China e o Brasil para facilitar o envio de insumos da CoronaVac ao Butantan. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo nesta 4ª feira (9.jun.2021).

As declarações de Weidong constam em relato de uma reunião de 19 de maio com diplomatas brasileiros e representantes do governo de São Paulo. Duas semanas antes, o presidente Jair Bolsonaro sugeriu que o coronavírus sera parte de uma “guerra química” e que a China teria lucrado com a pandemia.

O documento foi enviado primeiramente ao Itamaraty (Ministério de Relações Exteriores) e depois à CPI (comissão parlamentar de inquérito) da Covid.

O presidente da SinoVac teria relatado dificuldades da farmacêutica chinesa em atender toda a demanda por IFA (ingrediente farmacêutico aviso) e citou o “reflexo positivo” de boas relações entre China, Indonésia e Chile no envio de insumos para os 2 últimos países. Também disse que o apoio político é importante para eventual “tratamento preferencial a determinados países”.

Weidong sugeriu aos representantes brasileiros que o governo enviasse uma correspondência “no nível político” com as intenções de quantidade de insumos e prazos de entrega. Acrescentou que poderia ser útil se o acordo entre a Sinovac e o Instituto Butantan, que produz a CoronaVac no Brasil “fosse visto como uma demanda do governo brasileiro”.

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo disse à CPI da Covid que não fez afirmações contra a China durante sua gestão. “Não há nenhum impacto de algo que não existiu”, afirmou Araújo.

O Poder360 questionou o Itamaraty sobre o assunto. Até a publicação deste texto, o ministério não confirmou a existência do documento e nem as medidas tomadas depois da alegada reunião.

ATRASO NA ENTREGA DO IFA

O diretor do instituto e o governador João Doria (PSDB) atribuíram a dificuldade para o IFA ser liberado à postura do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de integrantes do governo federal, que fizeram declarações contra a China. O Instituto chegou a interromper a produção da CoronaVac.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) enfrentou problema semelhante. A instituição produz a vacina da AstraZeneca no Brasil e também depende de insumos chineses. Também atrasou a entrega de vacinas por falta de IFA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: