Shows e telões: festa da posse de Lula deve ter apresentação de artistas em dois palcos na Esplanada

Lula durante a posse de seu primeiro mandato, em 1º de janeiro de 2003. Foto: Divulgação

De volta ao Palácio do Planalto após 12 anos, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, deverá tomar posse no dia 1º de janeiro com uma grande festa, com direito a dois palcos e telões espalhados pela Esplanada dos Ministérios. O planejamento feito por integrantes do PT prevê que as apresentações comecem a partir do meio-dia do dia 1º de janeiro e contem com artistas de diversas regiões do país.

Petistas afirmam que diversos artistas tem se colocado à disposição para viajar a Brasília para participar do evento. Durante a campanha, cantores como Mart’nália, Chico Buarque, Sandra de Sá, Caetano Veloso, Luisa Sonza, Chico César e Zélia Duncan se engajaram a favor da candidatura de Lula.

As apresentações artísticas só serão interrompidas para exibir a cerimônia institucional que é dividida em três momentos: no Congresso, onde o presidente toma posse efetivamente, uma cerimônia no Palácio do Planalto, de troca de faixa, e a recepção e cumprimentos de chefes de Estado e delegações estrangeiras que ocorre no Itamaraty.

Um dos pontos ainda em discussão pelo grupo que organiza a posse é se o presidente eleito subirá em algum dos palcos na Esplanada, ou aparecerá apenas na rampa e no parlatório do Palácio do Planalto.

Uma parte do PT quer que as comemorações comecem antes mesmo da posse, na noite do dia 31 de dezembro, emendando a festa de reveillón com a de posse. O argumento é que muitos petistas já estarão na cidade na data.

Na terça-feira, uma reunião na sede nacional do PT, em Brasília, reuniu movimentos sociais e integrantes dos partidos políticos que apoiam Lula para discutir detalhes da posse. O encontro foi coordenado pelo ex-ministro Gilberto Carvalho, que será o braço direito de Rosângela Silva, a Janja, na organização. A mulher de Lula será a coordenadora do evento e já teve uma reunião presencial com o grupo quando esteve em Brasília na semana retrasada.

Uma das ideias discutidas nesse encontro foi ornamentação da Esplanada com bandeirolas com as cores do Brasil mescladas com o vermelho do PT. O partido também discute recepcionar militantes que viajarem a Brasília nas rodovias, rodoviárias e aeroportos com orientações sobre horários e locais da festa.

— Uma das grandes questões é como receber tanta gente, arrumar lugares para que essas pessoas possam ficar acolhidas. A rede hoteleira está quase tomada — afirma Carvalho.

O partido pretende solicitar passe livre de transporte público em Brasília, pedir uso de áreas públicas para campings, escolas, além de incentivar que militantes do PT hospedem quem viajar a Brasília para a posse.

Entrega da faixa

Ainda não há posição oficial do Palácio do Planalto sobre quem entregará a faixa presidencial a Lula, a organização aguarda um comunicado do atual governo para definir como será esta solenidade. A aliados, Bolsonaro afirmou que não irá entregar a faixa a Lula.

Petistas afirmam que não há dificuldade de interlocução com Congresso, Itamaraty e Palácio do Planalto sobre a discussão dos protocolos da cerimônia e que os detalhes das solenidades estão sendo cuidados pelo embaixador Fernando Igreja. A segurança da posse está segundo discutida com o governo do DF.

— Estamos fazendo todo circuito de relações para começar o processo de posse. Nesse momento iniciamos contatos para a trabalhar em cima de programação das atividades. Queremos um clima de festa, celebração, estamos discutindo o formado das apresentações que terão presença grande de artistas. Até semana que vem deve definir formato — afirma o secretário nacional de cultura do PT, Marcio Tavares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.