Saúde quer lançar protocolo de tratamento da covid-19 em setembro

O Ministério da Saúde planeja lançar um protocolo nacional para o tratamento da covid-19, 1 ano e meio depois do início da pandemia. O documento será constituído de protocolos específicos para as diferentes etapas de cuidados no tratamento da doença.

Segundo publicado pela Folha de S. Paulo, nessa 3ª feira (20.jul.2021), o guia está sendo elaborado por um grupo liderado pelo médico e professor da USP (Universidade de São Paulo) Carlos Carvalho. O profissional de saúde foi escolhido em março para coordenar o núcleo técnico que está confeccionado o documento.

O protocolo nacional deve conter informações para o tratamento do paciente infectado, desde a fase pré-hospitalar até às sequelas. Ele deve ser entregue até setembro, para então ser apresentado à Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS). Parte do documento já foi aprovada.

Carvalho explica que o objetivo do grupo é “ter uma diretriz“. “Debati muito com o ministro [Marcelo Queiroga] sobre isso. No Sul e Sudeste, a letalidade de pacientes intubados ficava abaixo de 60%. Em hospitais públicos, abaixo de 70%, nos privados, abaixo de 50%. No Nordeste, por exemplo, a letalidade chegava a ser superior a 90% em alguns lugares“, disse ele.

Isso porque cada lugar fazia de uma forma. Multiplicamos o número de leitos de UTI e não conseguimos ter a mesma quantidade de profissionais treinados. É necessário dar um suporte, uma diretriz mínima de como agir com o paciente”, falou.

Agora, o grupo está trabalhando em protocolos que abordam tratamento pré-hospitalar; uso de sedativos, analgésicos e bloqueadores musculares durante ventilação; tratamento hemodinâmico e reposição de fluidos; diagnóstico e terapêutica da insuficiência renal; pós-covid; e tratamento das sequelas após a alta.

Espera-se que o protocolo nacional contribua para a contenção da variante delta, que já se espalhou em outras partes do mundo. “Historicamente, o Brasil está de 6 a 8 semanas atrás do que acontece no hemisfério norte, especialmente na Europa. De 10 dias para cá, a variante delta vem crescendo e aparecendo como dominante na região“, disse o médico.

Na Europa, tem aumentado o número de casos, mas a letalidade continua baixa. No Brasil, talvez haja uma sobrecarga de casos, mas com o conhecimento nosso talvez a gente consiga tratar sem ter o aumento de letalidade. É com isso que estamos contando“, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: