fbpx

Roger enfrenta 1ª turbulência no Fluminense e vive pressão interna antes de decisão pela Libertadores

Três derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro, classificações sob críticas contra adversários tecnicamente mais fracos na Libertadores e Copa do Brasil e uma visível queda brusca de rendimento do time. Com pouco mais de cinco meses de trabalho, Roger Machado enfrenta a sua primeira turbulência no comando do Fluminense.

Roger Machado convive com primeira pressão no Fluminense — Foto: André Durão

O treinador pode nunca ter sido unanimidade entre a torcida tricolor, mas sempre encontrou respaldo interno e jamais esteve ameaçado no cargo, mesmo em momentos de grande insatisfação, como na perda do título carioca para o arquirrival Flamengo ou na goleada de 4 a 1 sofrida para o Athletico-PR em Volta Redonda. Só que agora há um clima de pressão sobre o comandante, seja nos corredores das Laranjeiras ou do CT Carlos Castilho.

>>> Análise: burocrático e previsível, Fluminense precisa se reinventar para não pôr temporada em risco

A segunda-feira pós-derrota para o América-MG por 1 a 0 no Independência foi movimentada no CT, mesmo com o elenco de folga. Saíram os jogadores, entraram os dirigentes. O ge apurou que foi um dia de reuniões da diretoria com o futebol, e estiveram presentes o presidente Mário Bittencourt e o diretor executivo de futebol, Paulo Angioni. O clima é de cobrança em uma semana onde o clube começa a decidir uma vaga na semifinal da Libertadores.

Roger tem 57,2% de aproveitamento em 39 jogos no Flu — Foto: Alexandre Neto / Photopress / Estadão Conteúdo

Ao menos até quinta-feira, quando o Fluminense recebe o Barcelona de Guayaquil, do Equador, às 21h30 (de Brasília) no Maracanã, pelo jogo de ida das quartas de final, Roger segue blindado e no comando da equipe. Mas qualquer tropeço na partida pode mudar o panorama do técnico, que tem 57,2% de aproveitamento no clube depois de 19 vitórias, 10 empates e 10 derrotas.

Os jogadores se reapresentam na tarde desta terça-feira no CT Carlos Castilho, e Roger dará início à preparação para enfrentar o Barcelona de Guayaquil. Sem reforços para esta fase da Libertadores, o técnico terá a volta de Nino, que já retornou após a medalha de ouro nas Olimpíadas de Tóquio, no Japão. O jogo da volta no Equador será no dia 19, no Monumental de Barcelona. Diferentemente da Copa do Brasil, no torneio o gol fora de casa é critério de desempate.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: