fbpx

Roda de conversa traça rumos da futura Biblioteca Parque, em Cabo Frio

Ideia é criar modelo em que o local funcione como espaço de pesquisa e de convivência 
Em breve Cabo Frio ganhará a primeira Biblioteca Parque da região. Ela será instalada no Parque Municipal Fonte do Itajuru, onde também ficam a Comissão Municipal do Bicentenário da Independência do Brasil e a Coordenadoria Geral de Igualdade Racial. Para traçar os rumos do futuro espaço, uma roda de conversa foi realizada no local, na tarde desta terça-feira (21), e contou com a presença de membros do governo municipal e da comunidade local. 

No bate-papo, conduzido pelo sociólogo e presidente da Comissão do Bicentenário, Paulo Baía, os participantes puderam externar suas ideias a respeito da futura Biblioteca Parque, que levará o nome do médico José Roberto Mendes da Rocha, falecido em janeiro por complicações causadas pela Covid-19. 

Entre as sugestões estavam a criação de um jardim sensorial e internet de fácil acesso a acervos de livros, além de cursos. Também foi abordada a necessidade de escutar as principais demandas da comunidade do Itajuru com relação ao espaço. 

“Viemos com essa intenção de dialogar e escutamos ideias super interessantes. Vamos registrar todas elas e analisar a viabilidade para quando tudo estiver pronto e funcionando normalmente. Uma das sugestões que queremos trazer para cá é um Balcão de Direitos, que é uma alternativa de enfrentamento à questão social aliada às políticas públicas. Dentro de uma Biblioteca Parque pode ser feito tudo que a gente quiser, desde que o princípio seja o acolhimento das pessoas”, afirmou Paulo Baía. 

Bibliotecas Parques são centros culturais destinados ao desenvolvimento social que estimulam o encontro entre os cidadãos, as atividades educativas e lúdicas, a construção de coletivos, e o enfrentamento de novos desafios na cultura digital. Também são espaços para a prestação de serviços que permitam a criação cultural e o fortalecimento das organizações de bairros existentes. São chamadas de parques por não serem somente um lugar de estudo e pesquisa, mas também de convivência e lazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: