Rio tem mais 12 casos confirmados da subvariante BQ.1 e número de internados por Covid-19 chega a 230

A Prefeitura do Rio confirmou mais 12 casos da subvariante BQ.1 em pacientes da cidade do Rio. Segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, o dado mostra a relação entre mutação do vírus e o aumento do número de casos de Covid-19 no município. Entre os dias 15 de outubro e 12 de novembro, a taxa de positividade dos testes para a doença subiu de 6% para 30%, número que se mantém estável, com aumento de apenas um ponto percentual desde o dia 20. Nesta quarta-feira, a taxa de positividade semanal parcial, informada pela Secretaria Municipal de Saúde por meio do portal Painel Rio, chegou a 31%.

O número de internações, por outro lado, já chega a 230. De acordo com a secretaria, a maior parte dos pacientes internados é composta por pessoas que não estão com o esquema vacinal completo e não fizeram a dose de reforço. Atualmente, o número de cariocas que não voltaram aos postos de saúde para receber o reforço do imunizante é de aproximadamente 1 milhão e 400 mil. No momento, a grande preocupação da pasta é a quantidade de pessoas adultas com esquema vacinal irregular e a baixa cobertura das crianças.

Na rede privada, a taxa de positividade e testes no estado do Rio já ultrapassa São Paulo. Dados da última terça-feira, divulgados pela rede Dasa — que inclui laboratórios como Sérgio Franco, Lâmina e Bronstein — com relação à semana de 14 a 20 de novembro, mostram que a taxa de resultados positivos no Rio chegava a 46,48%, três pontos percentuais a mais na rede, se comparado ao número da semana anterior, de 7 a 13 de novembro. Em São Paulo, a taxa teve queda de um ponto percentual, e marca 42,14%.

No Distrito Federal, o número de casos confirmados de Covid-19 aumentou 57,10% em relação à semana anterior. O nordeste passou a 51,90% de taxa de positividade, um aumento de 21,69% de casos positivos em relação à semana anterior. A região Sul acompanha a tendência de alta de contaminados chegando a 38,25% de positividade, aumento de 18,30% ante à semana anterior, segundo a rede Dasa.

O primeiro caso da subvariante da Ômicron foi confirmado pela SMS, no Rio. Até o dia 5 de novembro, a paciente, que mora na Zona Norte do Rio, passava bem e não estava internada. A subvariante já tinha sido identificada pela Fiocruz Amazônia, no final de outubro, e causa preocupação por possuir mutações que a ajudam a escapar da resposta imunológica. Dados do último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) também mostram que ela já foi encontrada em 65 países.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.