fbpx

Rio retoma vacinação de grávidas e puérperas, mas só com CoronaVac e Pfizer

A Prefeitura do Rio retomou nesta quarta-feira a vacinação contra a Covid de grávidas e puérperas (mulheres que acabaram de dar à luz) com comorbidades, mas apenas com doses da Pfizer e CoronaVac, por orientação do Ministério da Saúde. A imunização desse grupo havia sido suspensa na terça-feira, por orientação do Ministério da Saúde. O uso da vacina AstraZeneca para esse grupo foi suspenso em função da investigação da morte de uma gestante, de 35 anos, que teve um AVC após receber o imunizante.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, somente grávidas com comorbidade e com indicação médica expressa e detalhada devem ser imunizadas nesse momento. Em entrevista ao “Bom Dia Rio”, o secretário explicou que ainda é preciso “avaliar o risco risco/benefício da vacinação de grávidas”.

— Mesmo a vacina da Pfizer ainda não tem todos os testes completos para gestantes. Então, aqui no Rio de Janeiro, o médico deve avaliar se aquela gestante deve fazer a vacina ou não. O médico que está fazendo o pré-natal deve ver a comorbidade que ela tem e considerar o risco de ela ter Covid grave com o risco de ela fazer a vacinação — afirmou Soranz.

Para as gestantes que já receberam a primeira dose da AstraZeneca, a orientação é não tomar a segunda dose nesse momento. De acordo com Soranz, caso apresentem qualquer alteração, como dor de cabeça, febre ou outros sintomas, as grávidas que receberam a primeira dose da AstraZeneca podem informar os sintomas na unidade de saúde onde receberam o imunizante para que o caso seja investigado.

Recomendação médica

Segundo Soranz, cabe ao médico que está acompanhando o pré-natal da gestante avaliar se ela deve receber a dose. O médico precisa preencher um termo indicando a vacinação. E a gestante, por sua vez, deve assinar uma declaração de que conhece os riscos da vacina.

— É preciso analisar as comorbidades que ela tem e considerar o risco de ela ter Covid grave e o risco de fazer a vacinação explicou — Soranz.

Indagado se há doses de Pfizer suficientes para vacinar as gestantes, o secretário afirmou que praticamente todas as unidades de saúde do município têm, hoje, disponibilidade de doses da Pfizer. São, ao todo, 256 pontos de distribuição da vacina na cidade. O ideal é que a gestante procure a unidade mais perto de sua casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: