Renan quer ouvir ex-cunhada de Bolsonaro na CPI sobre áudio da “rachadinha”

O relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), quer convocar Andrea Valle, ex-cunhada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), para depor ao colegiado. Ela disse, em áudio gravado, que o então deputado federal tinha um envolvimento direto no suposto esquema da “rachadinha” -prática de desvio de verbas em que o assessor devolve parte de seu salário ao congressista- de 1991 a 2018. O advogado do presidente, Frederick Wassef, nega que o esquema tenha existido.

Segundo gravações obtidas pelo UOL, Bolsonaro demitiu um familiar porque ele não devolvia a quantia combinada do salário. Andrea Siqueira Valle, irmã de Ana Cristina Valle -2ª mulher de Bolsonaro-, afirma que seu irmão, André Siqueira Valle, foi demitido por decisão do então deputado. O Planalto não se pronunciou.

Para o relator da comissão no Senado, Andrea poderia explicar se teria havido “espelhamento” da suposta prática de desvio de verbas na administração de Bolsonaro à frente do Palácio do Planalto. O objeto definido da CPI da Covid é investigar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia e possíveis irregularidades na aplicação de verbas repassadas pela União a Estados e municípios.

Em uma sequência de publicações em seu perfil no Twitter, Renan Calheiros sugeriu que estaria buscando conexões entre as investigações contra o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) por suposto esquema “rachadinha” em seu então gabinete de deputado estadual no Rio, a suposta existência de um “gabinete paralelo” para orientar o governo federal na pandemia e possíveis ilegalidades na compra de vacinas.

“Como se sabe, Carlos Bolsonaro é peça fundamental no ministério paralelo e Flávio Bolsonaro um influente filtro de indicações. A oitiva dela não é para incriminar, mas para esclarecer fatos relacionados à presença dessas pessoas no governo. Ela cita um coronel reformado. São muitos os indícios e testemunhos da participação de militares em irregularidades com as vacinas Covaxin e AstraZeneca.”

O senador Otto Alencar (PSD-BA), que, assim como Renan, integra o grupo majoritário na CPI, considera a convocação da ex-cunhada de Bolsonaro um desvio de foco do objetivo da comissão. “Parece uma posição muito mais de ordem pessoal e política do que investigativa, com imparcialidade”, afirmou ao Poder360.

Em nota ao Poder360, o advogado Frederick Wassef negou o esquema de “rachadinhas” no gabinete do presidente. Segundo ele, Bolsonaro “é vitima de calúnias e fraudes” para atingir a reputação do presidente.

“Estão requentando a velha mentira de rachadinha que não conseguiram provar até hoje com áudio clandestino editado e fraudulento sobre fatos inexistentes de mais de 14 anos atrás. Jamais existiu qualquer esquema no gabinete do então deputado federal Jair M. Bolsonaro“, diz Wassef.

Os advogados Luciana Pires, Rodrigo Roca e Juliana Bierrenbach, que integram a defesa de Flávio Bolsonaro, disseram que os áudios de Andrea Siqueira Valle seriam “gravações clandestinas” e, portanto, não poderiam comentar o conteúdo. Também negaram que o senador tenha cometido qualquer ilegalidade durante seus mandatos como deputado da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro).

“Gravações clandestinas, feitas sem autorização da Justiça e nas quais é impossível identificar os interlocutores não é um expediente compatível com democracias saudáveis. A defesa, portanto, fica impedida de comentar o conteúdo desse suposto áudio apresentado pela reportagem.

Sobre Andrea Siqueira Valle, a defesa afirma que ela trabalhou na Alerj e cumpria sua jornada dentro das regras definidas pela assembleia. Flávio Bolsonaro, nas suas atividades parlamentares, não tinha como função fiscalizar e orientar a forma como a servidora usufruía do seu salário.

No tempo em que foi deputado estadual, nunca recebeu informação ou denúncia de que havia qualquer irregularidade no seu gabinete ou em relação ao pagamento dos colaboradores. Portanto, não passa de insinuação e fantasia a ideia de que o parlamentar participou de qualquer atividade irregular. Esse é apenas mais um ingrediente na narrativa que tentam armar contra a família Bolsonaro. Flávio Bolsonaro confia na Justiça e tem a certeza de que a verdade prevalecerá.”

MENSAGENS DE ÁUDIO
As gravações foram obtidas com uma pessoa que teria conversado com Andreia sobre o esquema. A ex-cunhada do presidente falou sobre as “rachadinhas” para pelo menos duas pessoas de 2018 a 2019. O UOL afirma ter confirmado a autenticidade dos áudios.

Andrea também foi assessora do presidente durante anos. Ela trabalhou para Bolsonaro de setembro de 1998 a novembro de 2006, apesar de nunca ter morado em Brasília. Andreia trocou de lugar com seu irmão em 2006. Ele foi para o gabinete de Bolsonaro e ela, para o de Carlos, onde ficou até 2008. Depois disso, foi nomeada no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), onde ficou até 2018.

Na reportagem, o UOL diz ter entrado em contato com a defesa de Ana Cristina Valle e sua família, mas eles não quiseram se pronunciar. Andrea também foi procurada, mas não respondeu às tentativas de contato.

Fonte: Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: