Relembre como Fluminense se classificou para as oitavas da Libertadores em outras edições

Fluminense pode garantir, nesta terça-feira, a classificação para as oitavas de final da Libertadores de forma antecipada. Para isso, basta um empate com o Junior Barranquilla, no Maracanã, pela quinta penúltima rodada da fase de grupos. Se será com ou sem emoção, só saberemos depois dos 90 minutos. O que sabemos é que, caso o Tricolor conquiste a vaga nas oitavas, será a quinta vez em sete participações na competição.

E aproveitamos a ocasião para relembrar como foram as outras quatro classificações do Fluminense, a mais marcante delas em 2011, fora de casa, contra o Argentinos Juniors, com direito a gol salvador nos minutos finais e pancadaria após a partida.

Gum tenta dar soco em Escudero em confusão no jogo entre Fluminense e Argentino Jrs em 2011 — Foto: Reuters

2008: a primeira vez

Jogo da classificação: Fluminense 2 x 0 Libertad, pela 4ª rodada

A primeira vez que o Fluminense se classificou para as oitavas de final foi na épica campanha de 2008. O feito inédito na história do clube veio até com certa facilidade, com duas rodadas de antecipação.

O Flu chegou à quarta rodada do Grupo 8 para enfrentar o Libertad, no Maracanã, invicto, com sete pontos em três jogo. Havia empatado em 0 a 0 com a LDU no Equador, goleado o Arsenal por 6 a 0 em casa e vencido o Libertad 2 a 1 fora de casa.

E bateu o time paraguaio novamente, por 2 a 0. Após um início de jogo truncado, Cícero abriu o placar aos 29 minutos do primeiro tempo, de cabeça. O Tricolor começou com tudo a segunda etapa e ampliou com Thiago Silva, aos cinco, também de cabeça. Depois, o time administrou o resultado.

Escalação: Fernando Henrique, Gabriel (Rafael), Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor, Arouca, Conca, Thiago Neves (Tartá) e Cícero (Roger); Washington. Técnico: Renato Gaúcho.

Thiago Silva e Cícero marcaram os gols da vitória do Fluminense sobre o Libertad em 2008 — Foto: Reprodução

2011: “contrariando” a matemática mais uma vez

Jogo da classificação: Argentinos Juniors 2 x 4 Fluminense, pela 6ª rodada

A segunda classificação tricolor para as oitavas veio em um jogo que todo tricolor lembra muito bem: a vitória por 4 a 2 sobre o Argentino Juniors, em Buenos Aires. O Fluminense fazia campanha irregular naquela edição e vivia momento conturbado com pedido de demissão de Muricy Ramalho e afastamento de Emerson durante a competição.

Na rodada final, já sob o comando de Enderson Moreira, o Tricolor precisava vencer fora de casa e torcer por uma derrota do Nacional-URU para o América-MEX, em Montevidéu. Caso o outro jogo empatasse, o Flu teria de vencer por dois gols de diferença.

A vaga nas oitavas parecia improvável. Eram, mais precisamente, de 8%. Mas, embalado pelo espírito de “time de guerreiros” construído na arrancada contra o rebaixamento de 2009, o Flu novamente contrariou as projeções. Julio César abriu o placar aos 17, mas Salcedo empatou para o Argentinos Juniors. Fred botou o Flu novamente à frente, mas Oberman voltou a igualar o marcador. O Tricolor chegou ao terceiro aos 22, com Rafael Moura.

Rafael Moura e Fred pelo Fluminense em 2011 — Foto: Ralff Santos / FFC

Na outra partida, Nacional e América terminaram empatados. Faltava um gol. O Flu partiu para cima e, nos minutos finais, Edinho foi derrubado pelo goleiro dentro da área: pênalti. Fred chamou a responsabilidade e mandou para o fundo das redes. Após o apito final, os jogadores argentinos partiram para cima e houve pancadaria generalizada.

Escalação: Ricardo Berna, Mariano, Gum, Edinho e Júlio César (Tartá); Valencia, Diguinho (Araújo), Marquinho e Conca; Rafael Moura (Fernando Bob) e Fred. Técnico: Enderson Moreira.

Jogadores do Fluminense comemoram gol da classificação sobre o Argentinos Juniors em 2011 — Foto: EFE

Jogadores do Fluminense comemoram gol da classificação sobre o Argentinos Juniors em 2011 — Foto: EFE

2012: vaga com folga

Depois das emoções do ano anterior, em 2012 o Fluminense conquistou a classificação para as oitavas da forma mais rápida possível. O Tricolor chegou à quarta rodada com 100% de aproveitamento, após vitórias sobre Arsenal e Zamora em casa e Boca Juniors fora de casa.

Na Venezuela, contra o Zamora, o time comandado por Abel Braga nem precisou de tanta inspiração para vencer mais uma vez e garantir a vaga com duas rodadas de antecipação. O autor do gol da vitória por 1 a 0 foi Rafael Sobis. O atacante começou no banco, entrou aos 30 minutos do 2º tempo e marcou, em cobrança, de falta, três minutos depois. Com o resultado, o Flu foi a primeira equipe da edição a se assegurar nas oitavas.

Escalação: Diego Cavalieri, Bruno, Anderson, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Deco e Thiago Neves (Lanzini); Wellington Nem (Rafael Sobis) e Fred. Técnico: Abel Braga.

Rafael Sobis comemora gol que deu vaga ao Fluminense nas oitavas da Libertadores de 2012 — Foto: David Norman / Photocamera

2013: na última rodada

Em 2013, a vaga veio com uma certa dose de emoção. Em um grupo embolado, tanto Flu, quanto Grêmio, Huachipato-CHI e Caracas-VEN chegaram à última rodada com chances de classificação.

O Tricolor pegava o Caracas na rodada final com vantagem de jogar em casa – mas em São Januário, já que o Maracanã estava em obras para a Copa do Mundo. O time comandado por Abel Braga chegou a levar alguns sustos da equipe vezuelana, mas encaminhou a vaga aos 8 minutos do 2º tempo, novamente pelos pés de Rafael Sóbis, herói no ano anterior. Fim de jogo: 1 a 0. Com a vitória, o Flu ainda avançou na primeira colocação do grupo, seguido do Grêmio.

Escalação: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Edinho, Jean e Wagner (Felipe); Rhayner, Wellington Nem (Samuel) e Rafael Sóbis (Monzón). Técnico: Abel Braga.

Rafael Sóbis celebra gol que garantiu vaga do Fluminense nas oitavas da Libertadores em 2013 — Foto: AFP

Eliminações precoces nas duas primeiras participações

O Fluminense ficou na fase de grupos em suas duas primeiras participações na Libertadores. Em seu debute, em 1971, vale ressaltar que apenas o líder do grupo avançava – e direto para um triangular semifinal. O Tricolor foi o segundo de seu grupo, com quatro vitórias e dois empates, à frente de Deportivo Italia e Deportivo Galicia, mas acabou atrás do Palmeiras.

Na segunda participação, em 1985, o formato ainda era o mesmo de 1971. Mesmo assim, o Flu não teve “desculpa. Foi o terceiro de seu grupo, com uma vitória e dois empates. Só ficou à frente do Vasco e acabou atrás de Argentinos Juniors e Ferro Carril Oeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: