Prioridade no plano de vacinação, apenas 67% dos indígenas estão imunizados

Os indígenas que vivem em aldeias são o 3º grupo prioritário do plano de vacinação contra a covid (íntegra – 7 MB). Embora estejam na frente de idosos e profissionais de saúde para receber uma dose, sua vacinação segue mais lenta.

Segundo o Localiza SUS, plataforma do Ministério da Saúde sobre a vacinação, os indígenas ocupam, atualmente, a 8ª posição no ranking de primeiras doses aplicadas, ficando atrás de todos os grupos de idosos acima de 65 anos e pelos trabalhadores de saúde.

Ministério da Saúde estima que haja 413.739 indígenas aldeados no país. Desses, 328.027 receberam a 1ª dose (79%) e 276.344 receberam a 2ª dose (67%) até às 14h de 3ª feira (18.mai.2021).

O Brasil já imunizou, com ambas as doses, mais que a população estimada dos 2 grupos que estão na frente dos indígenas aldeados no plano de vacinação (deficientes e idosos em instituições), e já aplicou a 1ª dose em todos os profissionais de saúde –o 4º grupo na fila de vacinação.

Porta-vozes dos Estados confirmam a lentidão na vacinação indígena e justificam a demora pela dificuldade na logística e no transporte das doses até as aldeias (algumas são acessadas só por barcos, o que pode demorar dias) e a recusa da vacina pelos indígenas, que muitas vezes está ligada ao medo causado pelas fake news.

Também comentam que há empecilhos para informar os dados para o Ministério da Saúde, como a baixa conexão de internet e a plataforma do SUS (Sistema Único de Saúde) ser muito pesada.

O Ministério da Saúde afirma que foram registrados 48.283 casos de covid confirmados em indígenas desde o começo da pandemia. O número representa 12% dos indígenas aldeados. Também foram notificadas 672 mortes. São 0,2% da população.

SITUAÇÃO É PIOR NO ACRE

O Estado do Acre é o que menos vacinou sua população indígena: apenas 60% recebeu a 1ª dose e 40% foi imunizada com as duas doses.

O Estado também é o mais lento a aplicar duas doses na população em geral, seguindo o plano de vacinação. Enquanto 9,1% da população brasileira está imunizada, o Acre aplicou as duas doses da vacina apenas em  5% da sua população.  Às 18h desta 2ª feira (17.mai.2021), estava na última posição do ranking do CoronavirusBra1, que compila dados dos Estados

Realmente, a gente não está conseguindo vacinar a população de acordo com o planejado”, afirma a assessora técnica do Centro de Operações de Emergência em Saúde do Acre Marília Carvalho. “A gente tem muita dificuldade de logística, de acesso”.

O Ministério da Saúde divide a população indígena segundo a sede dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Só há 18 Estados com sedes.

Desses, 7 Estados já aplicaram a 1ª dose em mais de 90% da população indígena aldeada: Pernambuco, Minas Gerais, Pará, Alagoas, Ceará, Santa Catarina e Rondônia.

Pernambuco, Minas, Alagoas e Ceará já aplicaram as duas doses em mais de 90% dos indígenas também.

Acre, Pará, Amazonas e Roraima são os únicos Estados com menos de 60% da população indígena imunizada com ambas as doses.

DIFÍCIL ACESSO

O ritmo da vacinação não está o adequado”, afirma a enfermeira do Departamento de Vigilância Epidemiológica do Amazonas Angela Desirée. O Estado enfrenta neste momento o período de chuvas intensas e constantes. Segundo ela, isso torna mais complexo o trajeto da população até os postos de saúde para se vacinar. “Dificulta o deslocamento principalmente nas áreas rurais e áreas indígenas”.

As chuvas, o clima e o território da Região Norte também complicam o transporte das doses até as aldeias indígenas assim como da equipe que irá realizar a vacinação.

Nem todos os locais da região são acessíveis através de carros. Avião e helicóptero são os transportes mais rápidos, mas o custo é alto. Além disso, nem todos os locais têm aeroportos. Muitas partes da região são acessíveis só por barcos, o que a enfermeira afirma que pode demorar até 14 dias.

A dinâmica da região Norte é muito diferenciada dos outros Estados”, diz Desirée.

A assessora técnica do Acre Marília Carvalho relata uma experiência similar. “Às vezes as equipes passam dias de barco fazendo aquele trajeto para conseguir ter acesso”, diz. “É uma questão não só do Acre, mas da região amazônica, pelo seu território, sua dimensão e essa distribuição da população”.

A pouca quantidade de vacinas também é um empecilho. O Ministério da Saúde envia aos Estados pequenos lotes dos imunizantes a cada semana ou em períodos até mais curto, dependendo da disponibilidade de doses, que são escassas.

As doses precisam ser enviadas de imediato aos municípios pela urgência de se vacinar a população, mas isso tem um alto custo e demora. Casos as doses não viessem fracionadas, a distribuição seria mais fácil, diz a enfermeira do Amazonas Angela Desirée.

“[A campanha de vacinação da] influenza vem com um estoque único no qual se faz uma distribuição única. Então o município ou o Estado arca com aquele recurso no deslocamento as doses, mas é uma vez só”, afirma.

BAIXA ADESÃO & FAKE NEWS

Algumas aldeias estão se recusando a receber as doses de vacina”, diz a enfermeira Desirée, do Amazonas. “Alguns tomam a 1ª dose, mas não querem receber a 2ª”.

Ela explica que apesar de na região Norte o acesso à internet ser mais precário, alguns indígenas ao visitar as cidades acabam tendo contato com fake news. As notícias falsas sobre as vacinas –que diversas autoridades como a Organização Mundial da Saúde e a Anvisa já atestaram serem seguras e eficazes– assusta alguns indígenas, dificultando a vacinação.

A assessora Marília Carvalho, do Acre, também diz que o Estado está tendo a mesma dificuldade. Afirma que o governo estadual está tentando incentivar a vacinação do grupo. “Você precisa fazer uma sensibilização, às vezes imunizar o líder da tribo para demonstrar a importância”.

Carvalho diz que muitos turistas que vão às aldeias acabam levando notícias falsas. “Eles vão até a aldeia, passam alguns dias de vivência e nesses momentos acabam disseminando informações equivocadas”, afirma.

Outra dificuldade foi que no início da vacinação contra a covid, em janeiro de 2021, um dos primeiros indígenas vacinados no Acre morreu. “Houve uma questão de receio em relação às crenças”.

RESPONSABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A assessora técnica do Centro de Operações de Emergência em Saúde do Acre Marília Carvalho afirma que a atribuição do Estado é distribuir as vacinas que chegam do governo federal aos municípios.  Não aplicar as doses.

Às vezes o gestor [municipal] não tem tanta iniciativa ou prioridade”, diz.

Os responsáveis pela aplicação são os municípios. Essa é a orientação do Ministério da Saúde e a divisão de atividades entre os entes federativos.

ACESSO À INTERNET & PROBLEMAS NOS DADOS

A nossa internet no Estado ela é lenta e quando chove nós ficamos sem internet”, afirma enfermeira do Amazonas Angela Desirée. Isso dificulta que a população tenha informações sobre a campanha de vacinação. E também para que as secretarias municipais consigam inserir na plataforma do SUS dados sobre as doses que foram aplicadas.

Desirée diz que o sistema do SUS é “extremamente lento e pesado”. Segundo ela, “para abrir uma ficha demora de 20 a 30 minutos na capital [Manaus]”. No interior diz ser pior.

A conexão precária faz que nem sempre os dados estejam atualizados. Dessa forma, é difícil saber qual a real situação de cada Estado e da vacinação no Brasil.

Para contornar este problema, o Amazonas criou um formulário no Google Forms para os municípios preencherem. Só informam nesse quantas doses foram aplicadas por dia.

Na plataforma [do SUS] tem um cadastro com todos os dados do paciente, nome, identidade, CPF, nome da mãe, a vacina, laboratório, data de validade”, afirma. “O Google Forms é bem mais rápido”. Os dados ficam disponíveis no vacinômetro do Estado.

O Ministério da Saúde diz que o “tem solicitado aos entes federativos para que as informações sejam inseridas no sistema com a maior celeridade possível” na plataforma do SUS. Eis a íntegra (20 KB).

Os Estados e municípios são obrigados pela lei a inserir os dados na plataforma em até 48h depois da aplicação da dose. Mas esse prazo nem sempre é seguido.

Algumas equipes não conseguem subir os dados em 48h, por ter que se deslocar às vezes uma semana que ela passa em área [na aldeia]”, diz a assessora do Acre Marília Carvalho. Às vezes, as aldeias ficam em regiões de mata fechada, onde o acesso à internet é difícil. Assim os técnicos só conseguem inseri-los ao voltar da viagem.

A gente também tem uma outra questão que é a precariedade do número de profissionais que trabalham nos municípios”, diz Carvalho. “Às vezes o mesmo que vacina é o mesmo que insere o dado. Ou ele está vacinando, ou ele está alimentando o sistema”.


Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Fonte: Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: