Presidente da Anvisa não descarta aplicação de 3ª dose de vacina anticovid

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, disse que é possível que algumas vacinas contra a covid-19 precisem de uma 3ª dose. Ele também defendeu a combinação de imunizantes produzidos por diferentes farmacêuticas. As declarações foram dadas na 3ª feira (13.jul.2021), durante palestra virtual para a ACRJ (Associação Comercial do Rio de Janeiro).

Acredito que algumas vacinas terão a necessidade de uma terceira dose. No dia de hoje, ainda é difícil dizer qual”, opinou Torres. Ele explicou que essa decisão depende de estudos que estão sendo realizados. “O mundo inteiro está debruçado nisso, e o objetivo é obter a imunização segura e mais duradoura“, concluiu em resposta a um espectador.

No mês passado, a Anvisa autorizou a Pfizer a realizar um estudo clínico no Brasil sobre a efetividade da aplicação de uma dose de reforço da vacina anticovid. No país, o imunizante é aplicado em duas doses, com um intervalo de 90 dias entre elas. A 3ª dose seria aplicada 6 meses depois da 2ª para aumentar a proteção, sobretudo para conter o avanço de novas variantes.

No momento, são aplicadas no Brasil as vacinas AstraZeneca, Pfizer, CoronaVac e Janssen. Só a última é de dose única, as demais precisam de duas doses. A 3ª dose ainda não foi recomendada para nenhum dos imunizantes.

Sobre a possibilidade da combinação de vacinas de diferentes laboratórios, o presidente da Anvisa reforçou a necessidade de esperar por um parecer científico. “A atividade reguladora não é a locomotiva desse processo. Ela é vagão. Vamos a reboque do desenvolvedor ou do pesquisador que nos apresentar suas conclusões, para que possamos avaliar e referendar. Estamos falando de uma interação de imunobiológicos de origens e plataformas diferentes. Vem muito da comunidade científica. No momento, estamos acompanhando algumas situações que podem no futuro ter um posicionamento nosso”, disse.

Torres citou que alguns países já tiveram que combinar vacinas de diferentes laboratórios em situações. No Brasil, por exemplo, gestantes que tomaram a 1ª dose da AstraZeneca antes de verificadas reações adversas receberam a 2ª dose da Pfizer.

Quando questionado sobre qual a melhor vacina, o presidente da Anvisa foi enfático: “A melhor é aquela que está no seu braço”. Ele ainda reforçou que medidas como uso de máscara, distanciamento social e higiene das mãos devem ser mantidas mesmo depois da vacinação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: