Prefeitura de São Pedro da Aldeia realiza workshop do Programa Calçada Acessível, em parceria com a FIRJAN

Objetivo do curso é qualificar os gestores municipais para a criação de novas normas de acessibilidade em ruas da cidade

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia deu início ao curso de atualização do Programa Calçada Acessível nesta quinta-feira (22). A ação é uma parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). O treinamento terá continuidade na sexta (23). Este é um dos passos para a criação de uma Lei Municipal de Calçada Acessível na cidade.

Representantes de várias secretarias e do conselho municipal que representa os portadores de necessidades especiais começaram o dia conhecendo a metodologia da capacitação no  Centro de Formação Continuada (CEFOR). Em seguida, seguiram para as ruas de São Pedro da Aldeia, onde puderam ver as dificuldades de quem tem a mobilidade reduzida. 

Além do reconhecimento de conteúdo, foram discutidas pautas como as dificuldades impostas de acordo com cada deficiência e a conscientização da população em relação ao auxílio prestado ao portador de necessidade especial. Os participantes foram divididos em três grupos para uma dinâmica, que consistia em trazer para os presentes as experiências e dificuldades dos deficientes físicos e visuais. 

A professora especializada em braile da rede de ensino aldeense e integrante do recém-instalado Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (COMDEF), Heloíza Araújo Santos, acompanhou toda a ação de perto. Diagnosticada com Glaucoma Congênito assim que nasceu, Heloíza falou de como o conhecimento da causa é fundamental para todos os cidadãos. 

“Isso que está acontecendo hoje é extremamente importante porque nós, deficientes visuais, temos muita dificuldade de locomoção pela cidade, principalmente em relação às calçadas e pontos de ônibus. Com essa prática, vemos que só vivendo aquilo que os deficientes vivem, se conhece os percalços. Se eu vivo a sua dificuldade, eu vou saber, de fato, o que você sente e o que você passa. Eu espero, de verdade, que essa ação não fique só no conhecimento, mas que seja repassada por meio de benfeitorias e propagação de informação”, pontuou. 

O secretário de Urbanismo e Habitação, Fernando Frauches, também destacou a importância do projeto e a necessidade da humanização dos profissionais envolvidos. “O nosso objetivo é tornar o plano de mobilidade urbana uma lei. Hoje em dia, não vemos tantos cadeirantes nas ruas por justamente saberem dos obstáculos que possuem para ter acesso aos locais em que necessitam ir”, destacou o secretário. 

O segundo módulo do whorkshop é nesta sexta-feira (23), das 8h30 às 17h no CEFOR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: