Porto de Itaguaí, o minério que enriquece e destrói o meio ambiente

No decorrer dos últimos anos, a cidade de Itaguaí passou a se reconfigurar como um polo de desenvolvimento econômico e logístico-produtivo; seja por ser sede do Porto de Itaguaí (antigo Sepetiba), responsável pelo escoamento da produção de grande parte do Estado do Rio de Janeiro 

Com o crescente crescimento de movimentação de carga de minério no Porto de Itaguaí, trazem duas situações, o aumento de dinheiro para os cofres públicos e privados, e a contaminação da Bahia de Sepetiba pelo pó do minério de ferro e do carvão mineral. 

Os minérios são importantes matérias-primas para muitos processos industriais e a exportação e importação desses minérios, gera a necessidade de terminais portuários especializados na armazenagem e movimentação desta carga.

Além disso, a movimentação deste produto está associada a problemas ambientais, como o descarte inadequado de águas contaminadas com minérios. A poluição hídrica é potencializada com a presença de efluentes oleosos, efluentes sanitários e substâncias tóxicas, presentes na manipulação destes elementos que acabam caindo no mar.

A infraestrutura pública portuária não tem conseguido acompanhar essa movimentação recorde de cargas a cada ano e, portanto, apresentam muitos problemas de infraestrutura e também relacionados aos resíduos que são gerados pelas embarcações ou pelas operações relacionadas à própria logística do porto, gerando problemas ambientais, tais
como: a contaminação do mar por óleos e material orgânico despejado sem tratamento, a poluição do ar por partículas muito finas e tóxicas que são lançadas ao ar durante as operações de carga e descarga, e o ruído excessivo do maquinário.

Por outro lado, o Porto tem gerado emprego e renda para muitas famílias, principalmente neste período de pandemia que o mundo todo vem passando. O Porto de Itaguaí é um porto de altíssima capacidade pela facilidade logística, facilitado pelo Arco Metropolitano. O maior problema e a falta de duplicação da BR 101 que liga Itaguaí ao Porto de Santos. 

Localização do Porto de Itaguaí e sua história

O território em questão limita-se a leste com o bairro de Santa Cruz e Seropédica, ao norte faz divisa com Piraí e Paracambi, a oeste com os municípios de Rio Claro e Mangaratiba, sendo banhado ao sul pelo Oceano Atlântico, especificamente na Baía de Sepetiba1. Observando-se o contexto da sua espacialidade, tem-se:

Figura 1: Localização de Itaguaí

Salienta-se que o município permaneceu sem maior expressão econômica até quatro décadas atrás. A abertura da rodovia Rio Santos BR 101 mudou o cenário, facilitando o deslocamento entre diversos municípios próximos, fato que proporcionou um impulso ao processo de industrialização a partir da década de 70, preponderantemente incentivados a partir de um esforço estatal visando criação de infraestruturas de transporte. A partir destes processos, houve a instalação do Porto de Sepetiba, o que possibilitou com que Itaguaí ingressasse no circuito econômico do estado.

Apresentando fortes marcas rurais e tendo suas atividades econômicas atreladas principalmente à produção primária, como a agricultura, agropecuária e atividades pesqueiras, a configuração produtiva de tal município se iniciou a partir da década de 60, especialmente no que se refere a sua dimensão logístico-produtiva, que ocorreu de forma mais expressiva somente a partir das décadas de 70/80 com o caso marcante da instalação do porto. Percebe-se assim a fundamentação de suas vantagens locacionais historicamente construídas, ou seja, tal território configurado como um ambiente favorável para atividades que alavancassem o crescimento econômico, sendo parte de um projeto de cunho nacional.

De fato, vale asseverar que os movimentos econômicos nestas primeiras décadas do Século XXI estão conectados a fatores que datam das décadas de 70/80, subsidiados pela instalação de um sistema portuário no local. Todo dinamismo se ratificou por meio de interesses políticos estratégicos, das ambições de uma época desenvolvimentista que diagnosticaram competências geográficas e promoveram estímulos para que a Baía de Sepetiba viesse a se enquadrar em um ambiente com condições favoráveis para a construção de um porto.

É importante reforçar que grande parte do território em análise encontra-se delimitado pela Baía de Sepetiba. A região é caracterizada por abundância de riquezas naturais e aspectos socioculturais vinculados a esta paisagem, destacando-se, por exemplo, sujeitos históricos ligados principalmente à atividade pesqueira tradicional. O fato da existência do porto e de outros investimentos de cunho logístico-produtivo implantados nos últimos anos foi responsável por uma significativa alteração na organização de tal território, produzindo diversos impactos socioambientais.

O nome da cidade

Etimologicamente, de origem tupi, o topônimo Itaguaí seria a junção de duas palavras (ita + guay) que significaria “lago entre pedras” ou ainda uma derivação da palavra tagoahy, que quer dizer “água amarela”. Para confirmar esta segunda hipótese, é de se observar que existia um aldeamento dos jesuítas chamado Taguay, que possuía este nome justamente porque a água captada no local possuía uma tonalidade amarelada.

Esse exposto se ratifica ainda mais tendo em vista o entendimento de que “a baía foi palco de inúmeros acontecimentos da história do Brasil, da ocupação indígena ao período colonial” e sempre “esteve relacionada ao comércio brasileiro, por ali escoaram muitas de nossas reservas de ouro.”

Deste modo, é necessária a compreensão do motivo de o porto ser construído em Itaguaí e a sua relação com as indústrias instaladas na região da Zona Oeste carioca, principalmente em Santa Cruz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: