Por que a covid-19 avança no Chile apesar da alta vacinação?

Desde o fim de semana, o mais rigoroso dos quatro níveis de lockdown está novamente em vigor na região metropolitana de Santiago do Chile. Só quem trabalha em profissões relevantes para o sistema têm permissão para sair de casa. Passear ou praticar esportes só é permitido pela manhã e com pessoas da mesma residência. Compras básicas podem ser feitas duas vezes por semana – e por duas horas apenas.

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, apelou para que os chilenos sigam as regras e deu a perspectiva de que o novo confinamento possa ser flexibilizado novamente em duas semanas.

Desde meados de abril, o Chile enfrenta as taxas de infecção mais altas em 1 ano. Em maio, a incidência de 7 dias havia diminuído um pouco. Mas, durante a última semana, o número de novos casos por 100 mil habitantes voltou ao nível nacional recorde de cerca de 260. A região da capital, onde vive quase metade da população do país, é particularmente atingida.

No domingo (13/06), o Chile superou pelo 4º dia seguido a barreira de 7 mil novos casos e registrou mais 138 mortes. No total, já foram mais de 30 mil óbitos por covid-19 no país.

A situação surpreende porque o Chile é líder em vacinação na América Latina. Quase 9 milhões dos cerca de 20 milhões de habitantes já foram totalmente vacinados. Outros 2,5 milhões receberam a 1ª de duas doses.

O Chile alcançou 58% de seu objetivo de vacinar 3/4 da população. A fatia é considerada suficiente para alcançar a chamada imunidade de rebanho, quando grandes surtos da doença se tornam extremamente improváveis. Se o Chile continuar a vacinar no ritmo atual, poderá alcançar essa meta em agosto.

ALTA NAS INFECÇÕES

Israel é o único país com uma população de mais de 2 milhões de habitantes que tem uma proporção maior de sua população totalmente vacinada do que o Chile (quase 60%). Em Israel, no entanto, a pandemia está praticamente controlada. A incidência de 7 dias ronda apenas 14.

Há uma série de possíveis razões pelas quais a incidência no Chile é maior do que em Israel. Uma delas começa com a própria campanha de vacinação: em Israel, quase todos os vacinados receberam a vacina da Pfizer-Biontech, enquanto os demais receberam a da Moderna. Ambas são vacinas de tecnologia mRNA.

No Chile, por outro lado, mais de 3/4 das doses administradas eram da chinesa Coronavac, que pode ser produzida em grandes quantidades relativamente rápido.

Para as duas vacinas de mRNA da Pfizer e da Moderna, os estudos mostraram uma eficácia de cerca de 95%. Os estudos sobre a eficácia da coronavac produziram resultados muito diferentes. No Brasil, a vacina protegeu apenas cerca de 50% dos vacinados contra doenças sintomáticas e cursos moderados da doença, enquanto no Chile ela foi 63% eficaz. A eficácia contra a infecção e, portanto, contra a propagação da doença poderia ser ainda menor.

Os resultados poderiam indicar que a coronavac é menos eficaz, especialmente contra a variante brasileira P.1. A mutação, que desde então foi batizada de “gama” pela OMS, é considerada duas vezes mais infecciosa que a cepa original do vírus e é agora também a variante mais difundida no Chile.

A mortalidade no Chile está se estabilizando a um nível ligeiramente mais baixo do que nos meses anteriores. Isso sugere que a coronavac está pelo menos atenuando o curso da epidemia. No entanto, as UTIs na área metropolitana de Santiago estão atualmente atingindo seus limites de capacidade mais uma vez.

CANSAÇO DO LOCKDOWN E DIFICULDADES ECONÔMICAS

Especialistas no Chile veem outra razão para a alta nos casos: o comportamento da população. Após meses de idas e vindas entre situações adversas e mais brandas, as pessoas estão cansadas, disse a médica intensivista Marcela Garrido, chefe de epidemiologia do hospital da Universidade dos Andes em Santiago do Chile, ao diário chileno La Tercera:

As pessoas estão perdendo o respeito pelas medidas e não estão mais ficando em casa – há razões econômicas, mas também mentais“, comentou.

A possibilidade de trabalhar a partir de casa está aberta a muito menos pessoas do que em Israel, por exemplo, para ficar na comparação entre ambos. O governo também está ciente disso. No fim da semana, Piñera anunciou mais ajudas para as pequenas e médias empresas que se depararam com dificuldades em consequência das restrições.

Mas mesmo no Chile, que é próspero dentro dos padrões regionais, muitas pessoas trabalham sem um contrato de trabalho fixo. A pressão econômica levou muitos a sairem de casa contra as instruções, explica Lidia Amarales, especialista em saúde da Universidade de Magallanes em Punta Arenas, ao La Tercera:

Não sou a favor de culpar as pessoas. As pessoas deveriam ter recebido explicações melhores sobre do que se tratava, e as regras deveriam ser o mais compreensíveis possível. Isso foi negligenciado durante toda a pandemia“, disse.

O fato de os números de infecção terem subido tão alto agora, dizem especialistas, também pode ser devido ao fato de que as pessoas se sentiram mais seguras, tendo em vista a alta taxa de vacinação.

E como muitos vírus são absorvidos através do trato respiratório, a época do ano também desempenha um papel importante: no Chile, o inverno está apenas começando. E em 2020, foi em junho que o país experimentou sua primeira grande onda de coronavírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: