fbpx

Por nova variante da Covid-19, países impõem novas medidas restritivas

A preocupação com a nova variante da Covid-19 identificada em Botsuana tem feito países considerarem novas medidas restritivas a voos nas fronteiras.

Segundo levantamento (veja lista abaixo) feito pela CNN na manhã desta sexta-feira (26), pelo menos 10 nações já haviam anunciado bloqueios a países do sul da África.

O Itamaraty informou, em nota, que ainda não tem posicionamento sobre a conduta que o Brasil deve adotar em relação à nova variante.

Na Europa, Itália, República Tcheca, Holanda e França anunciaram nesta sexta um novo rol de medidas restritivas. O ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza, assinou uma ordem executiva proibindo a entrada da África do Sul, Lesoto, Botswana, Zimbábue, Moçambique, Namíbia e Eswatini, afirma um comunicado.

“Nossos cientistas estão estudando a nova variante B.1.1.529. Enquanto isso, adotaremos a maior cautela possível”, disse o ministro.

Os mesmos países também receberam sinal vermelho para entrar na República Tcheca, mas o país acrescentou a Zâmbia na lista.

Na Holanda, o ministro da Saúde, Hugo de Jonge, afirmou em um comunicado que a proibição se aplicaria a todos os países do Sul da África, e que os viajantes atualmente em trânsito deverão ficar em quarentena na chegada ao aeroporto de Schiphol.

A medida deve tomar maiores proporções nas próximas semanas. Isso porque a comissão da União Europeia também pretende propor a interrupção de viagens da região da África Austral em meio à crescente preocupação sobre a variante detectada na África do Sul, disse a chefe da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, nesta sexta-feira.

“A Comissão irá propor, em estreita coordenação com os Estados Membros, ativar o freio de emergência para interromper as viagens aéreas da região da África Austral devido à variante de preocupação B.1.1.529”, escreveu em um tweet.

A Comissão executiva recomendará que todos os 27 estados membros implementem a medida e espera que o Conselho Europeu dê luz verde o mais rápido possível, acrescentou um funcionário da UE.

As decisões do Conselho Europeu, que representa os Estados-Membros, não têm de ser tomadas pelos ministros, mas também podem ser assinadas pelos embaixadores do país em Bruxelas.

Fora do bloco mas na região europeia, o Reino Unido também proibiu temporariamente os voos da África do Sul, Namíbia, Botswana, Zimbábue, Lesoto e Eswatini na sexta-feira, e pediu que os viajantes britânicos retornassem desses destinos para a quarentena.

No Oriente Médio, Israel anunciou na quinta-feira que estava impedindo seus cidadãos de viajar para o sul da África e proibindo a entrada de estrangeiros da região.

Nesta sexta, o país confirmou um caso de infecção pela nova cepa. O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, se reuniu com especialistas em saúde para discutir a melhor forma de responder à variante.

“Estamos atualmente à beira de um estado de emergência”, disse Bennett, de acordo com um comunicado de seu gabinete. “Nosso princípio básico é agir rápido, forte e agora.”

Outros países asiáticos também integram a lista.

O Ministério da Saúde de Cingapura afirmou que restringirá as chegadas da África do Sul e de países vizinhos.

Já no Japão, Taiwan e Índia, o anúncio abrangeu apenas maior controle nas fronteiras e ainda não proibiu ao todo a entrada de pessoas originários dos países em risco. Em Taiwan, os viajantes deverão cumprir quarentena; na Índia, eles deverão ser testados.

Países com restrições ao sul da África

Baniram voos

  • Reino Unido
  • Itália
  • Holanda
  • República Tcheca
  • França
  • Cingapura
  • Israel

Aumentaram medidas de controle

  • Japão
  • Índia
  • Taiwan

OMS se reúne e faz alerta sobre restrições

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou os países nesta sexta contra a imposição apressada de restrições de viagens relacionadas à nova variante, dizendo que eles deveriam tomar uma “avaliação de risco baseada na ciência”.

“Até o momento, a implementação de medidas restritivas a viagens não é recomendada”, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, em uma entrevista coletiva da ONU em Genebra. “A OMS recomenda que os países continuem a aplicar uma abordagem científica e baseada no risco ao implementar medidas de viagem.”

Nesta sexta, o órgão se reúne para avaliar as informações disponíveis da variante, bem como para determinar se ela será classificada como “variante de interesse ou variante de preocupação”.

O que se sabe sobre a variante

Os cientistas ainda estão avaliando a nova variante do vírus, identificada pela primeira vez esta semana. Sua descoberta na sexta-feira atingiu os mercados financeiros da Ásia, onde as ações sofreram a maior queda em três meses e o petróleo despencou mais de 3%.

A variante tem uma “constelação muito incomum” de mutações, que são preocupantes porque podem ajudá-la a escapar da resposta imunológica do corpo e torná-la mais transmissível, afirmam cientistas sul-africanos.

Casos da cepa foram identificados na África do Sul, Botsuana e Hong Kong.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: