fbpx

Pontes diz que Bolsonaro também foi surpreendido por cortes para Ciência

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), além dele próprio, também “foi pego de surpresa” com o anúncio do corte de R$ 600 milhões pelo Ministério da Economia, na semana passada, em verbas para a ciência.

A conversa entre os dois aconteceu nesta terça-feira (12). Segundo Pontes, o governo prometeu que “isso vai ser restituído”.

“Com relação ao PLN 16, realmente eu fui pego de surpresa. Ontem, conversei com o presidente e ele disse que também foi pego de surpresa. Eu pedi ajuda pra recuperar investimentos e ele disse que vai ajudar. Recurso pra ciência e tecnologia não é gasto. É investimento. A questão do PLN ter sido modificado de última hora me deixou muito chateado. Já conversei no governo pra que isso seja reposto e prometeram que isso vai ser restituído”, disse Pontes.

Esclarecimentos na Câmara

A declaração foi dada em sessão da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados na manhã desta quarta-feira (13).

Pontes foi chamado para prestar esclarecimentos sobre instabilidades no sistema do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e detalhar por que aceitou se reunir com uma deputada neonazista alemã no gabinete do ministério, mas a maioria dos deputados o questionou sobre os cortes no orçamento do MCTI e o descontentamento dele com o governo sobre isso.

Na sexta-feira (8), ele chegou a dizer, em evento em Campinas (SP), ao lado de Bolsonaro, que pensou em deixar a pasta por causa dos cortes “equivocados e ilógicos”.

“Ainda mais quando são feitos sem ouvir a comunidade científica e o setor produtivo. Isso precisa ser corrigido urgentemente”, afirmou o ministro.

No dia do corte (7), apesar das críticas de Pontes e dele dizer, hoje, que Bolsonaro também se surpreendeu, o Ministério da Economia divulgou uma nota explicando que “essa proposta de alteração ocorreu para cumprir decisão governamental quanto à necessidade de remanejar recursos neste momento, a qual foi referendada pela Junta de Execução Orçamentária (JEO)”.

O corte foi feito por meio do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 16 de 2021, que, inicialmente, destinava R$ 690 milhões para o MCTI.

Na semana passada, porém, o Ministério da Economia enviou um ofício à Comissão Mista de Orçamento do Congresso solicitando uma mudança no texto, repassando os recursos que inicialmente estavam previstos para o MCTI para outras pastas. Com isso, o repasse à pasta de Marcos Pontes caiu para R$ 89 milhões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: