Policial acusado de estuprar adolescente que denunciava estupro coletivo é detido na Índia

Um policial foi detido na Índia acusado de estuprar uma adolescente de 13 anos que havia procurado sua delegacia para denunciar ter sido vítima de um estupro coletivo, informam fontes policiais.

As autoridades do estado de Uttar Pradesh declararam à imprensa local que um policial foi detido e que 29 funcionários, presentes na delegacia no momento do provável estupro, haviam sido suspensos de suas funções. Outras quatro pessoas, entre elas a tia da alegada vítima, também foram presas, segundo a mesma fonte.

A adolescente pertence à comunidade dalit, ainda marginalizada e alvo de estupro por parte de membros das castas superiores, geralmente alvo da indiferença policial.

Segundo o pai da menina, citado pela imprensa, ela foi estuprada durante vários dias por quatro homens no mês passado.

Quando decidiu denunciar o caso, também foi estuprada pelo chefe da delegacia de polícia , relatou à imprensa a ONG Childline, uma instituição dedicada à proteção da infância e que aconselha a vítima.

O caso novo causou revolta nas redes sociais.

“Se as delegacias de polícia não são seguras para as mulheres, então onde farão denúncias?”, perguntou no Twitter Priyanka Gandhi Vadra, eminente membro do Congresso Nacional Indiano, o partido de oposição.

“O governo de Uttar Pradesh pensou em aumentar a presença de mulheres nas delegacias, para torná-las mais seguras para as mulheres?”, questionou.

A situação da Índia em matéria de violência sexual é objeto de preocupação internacional, após o estupro coletivo de uma estudante, igualmente torturada, em um ônibus em Nova Délhi em 2012. Ela não resistiu aos ferimentos sofridos e faleceu.

Uma onda de manifestações ocorreu no país, enquanto o caso comoveu o mundo inteiro.

Desde então, as leis e as penas relativas a estupro na Índia foram revisadas e endurecidas, mas o país continua registrando mais de 28.000 estupros declarados em 2020, segundo dados oficiais que apenas mostram a parte visível do problema.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.