PGR diz que não foi consultada sobre buscas contra Ricardo Salles

A PGR (Procuradoria-Geral da República) informou na manhã desta 4ª feira (19-mai-2021) que não foi consultada sobre as buscas contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. As diligências foram solicitadas pela PF (Polícia Federal) e autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes do STF (Supremo Tribunal Federal).

A respeito de notícias veiculadas pela imprensa de que autoridade com foro no STF foi alvo de busca e apreensão, a PGR informa que não foi instada a se manifestar sobre a medida, o que, em princípio, pode violar o sistema constitucional acusatório“, disse a PGR, em nota.

Ricardo Salles é alvo da operação Akuanduba, que apura crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando. A investigação foca em delitos praticados por agentes públicos ligados ao Ministério do Meio Ambiente e ao Ibama e por empresários do ramo madeireiro.

O ministro teve os sigilos bancário e fiscal derrubados por determinação de Alexandre de Moraes, que também autorizou a apreensão de “itens, bens, documentos, mídias, dados e objetos que tenham envolvimento direto com as infrações em apurações”. O alcance da decisão engloba celulares, computadores, tablets e outros dispositivos eletrônicos.

A casa de Ricardo Salles em São Paulo, seu imóvel funcional em Brasília e um gabinete do ministério do Meio Ambiente no Pará foram visitados pela PF. Ao todo, 160 policiais cumprem 35 mandados de busca e apreensão na Akuanduba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: