Petrópolis tem novas medidas restritivas para tentar conter casos de covid-19

Pacote de medidas emergenciais, anunciado após reunião com representantes da área de saúde e empresários, proíbe a entrada de turistas e restringe ainda mais as atividades para reduzir a circulação de pessoas

A Prefeitura de Petrópolis está decretando nesta segunda-feira (29) um novo pacote de medidas emergenciais restritivas para tentar conter os casos de covid-19 na cidade. Decreto municipal que será publicado ainda nesta segunda-feira (29) proíbe, a partir desta terça-feira (30) a entrada de turistas e visitantes e restringe ainda mais as atividades no município, na tentativa de reduzir a circulação de pessoas e desacelerar a taxa de contágio da doença. A ação visa preservar vidas, garantindo, ao mesmo tempo, o funcionamento da rede de saúde, que está chegando ao limite de sua capacidade.

No decreto, válido até 5 de abril, o governo municipal suspende o atendimento presencial em bares, lanchonetes, restaurantes e similares, autorizando apenas os serviços de delivery e take away. Cinemas, clubes sociais e esportivos e serviços de lazer também estão proibidos, assim como casas de festas, boates, pistas de dança, museus e pontos turísticos públicos ou privados. O texto também proíbe o funcionamento de áreas de recreação infantil, assim como espaços de lazer de meios de hospedagem e condomínios.

O comércio também vai permanecer fechado, com exceção de supermercados, laticínios, açougue, peixaria, comércio de gêneros alimentícios e bebidas, hortifrutigranjeiro, quitanda, padaria, confeitaria, loja de conveniência, mercearia, mercado e armazém entre outros. Nos pontos de venda de alimentos autorizados a abrir, no entanto, não poderá haver consumo no local. Também estão excluídas da proibição atividades consideradas essenciais.

“A suspensão das atividades é uma medida pesada, mas necessária neste momento. A rede de saúde da cidade, tanto pública quanto privada, está no limite da sua capacidade. Não temos mais como esperar”, frisou o prefeito interino Hingo Hammes, que se reuniu, durante a tarde, com representantes de hospitais privados, profissionais de saúde da rede municipal e empresários de diferentes setores. “O momento exige união de forças”, pediu.

O secretário municipal de Saúde, Aloisio Barbosa da Silva Filho, lembrou que, para conter o avanço da doença, é preciso reduzir a circulação de pessoas. “Pedimos que as pessoas só saiam de casa se for extremamente necessário. E quem sair não pode esquecer: o uso da máscara é indispensável. As pessoas devem manter o distanciamento social e evitar de todas as formas as aglomerações”, frisou.

Dados da Secretaria de Saúde mostram que, hoje, Petrópolis bateu recorde de internados, somando as redes pública e privada: 334 pessoas estão internadas em leitos destinados a pacientes com covid-19. Destas, 148 estão em leitos de UTI. “Trabalhamos muito para ampliar o número de leitos, mas vimos o número de internações crescer junto com esta ampliação da rede. Temos que atuar de maneira mais incisiva para frear a doença”, lembrou o secretário de Saúde, acrescentando que o número de atendimentos nos três pontos de apoio (Itaipava, Cascatinha e HMNSE), criados para atender pacientes com sintomas da doença, também aumentou. Foram 6.468 atendimentos só no mês de março – 800 deles apenas nos últimos três dias. O número representa um aumento de 52% em relação ao mês de janeiro. 

Especialistas e diretores de hospitais fazem apelo para que a população mantenha o isolamento

O infectologista José Henrique Castrioto de Cunto ressaltou a importância de as pessoas atenderem os apelos do governo municipal. “Se as pessoas não ajudarem, a rede de saúde não vai suportar. As pessoas que precisarem de atendimento não vão encontrar nem na rede pública nem na rede privada. Não é hora de sair com os amigos. Não é hora de promover nem participar de festas. As pessoas precisam ficar em casa”, pediu.

Representando o Hospital Santa Teresa, Leonardo Menezes frisou a importância da união de forças da sociedade para que a cidade consiga superar este momento difícil. “É hora de pararmos. Precisamos de um freio. A situação está se agravando. Hoje, ter leitos não significa que vamos salvar vidas”, lamentou.

Diretor-presidente da Unimed Petrópolis, Rafael Gomes de Castro deixou a reunião durante a tarde com uma palavra em mente: esperança. “Ver os diferentes setores da sociedade civil juntos, discutindo com o governo municipal medidas que garantam a preservação de vidas e pensando também na situação econômica, é, sim um sinal de esperança”, afirmou.

Diretor executivo do Hospital SMH – Beneficência Portuguesa, Fernando Baena lembrou que este é o pior momento da pandemia. “Os hospitais estão com a capacidade esgotada. Não temos mais como esperar”.

Novas variantes

Petrópolis registrou até o momento dois tipos de variantes do Sars-CoV-2:  variantes do tipo P1 e P2. Foram três casos, confirmados após análise de material selecionado por amostragem pela Fiocruz. Após a notificação, o setor de Epidemiologia fez imediatamente o levantamento de informações junto as famílias. Os casos foram identificados em irmãos gêmeos de 7 meses e em uma menina de 5 anos – as três crianças não tiveram complicações, não precisaram de internação e passam bem.

No caso dos gêmeos, a família relatou ter recebido a visita de um parente do estado de Minas Gerais, no início do mês de janeiro. Dias depois, um familiar que tem contato com as crianças teve sintomas de Covid-19. As amostras confirmaram a variante P2.  Já no terceiro caso, da variante P1, uma menina de 5 anos apresentou sintomas em fevereiro. A menina está recuperada e passa bem.

Vacinação

A campanha de vacinação contra a covid-19 segue em andamento. Neste momento estão sendo vacinados idosos com mais de 70 anos, profissionais de saúde e pessoas acamadas, que são imunizadas em casa. Até ontem, mais de 24 mil pessoas tinham sido vacinadas na cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: