Pazuello fica sem punição, e Bolsonaro defende Exército: ‘Ninguém interfere’

Bolsonaro em live semanal

No mesmo dia em que Exército arquivou processo envolvendo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que é comum instituição optar por não representar contra militares. Em sua live semanal, Bolsonaro afirmou que “ninguém interfere” em decisões de punição nas Forças Armadas e citou episódio no qual, quando tenente, foi propor uma punição a um soldado, mas seu superior pediu que “se colocasse no lugar” do punido. O processo contra Pazuello tinha como objetivo apurar a participação do ex-ministro em um ato político com o presidente.

— A punição existe nas Forças Armadas. Ninguém interfere. A decisão é do chefe imediato do comandante da unidade. A disciplina só existe porque realmente o nosso código disciplinar é bastante rígido. Agora, já aconteceu. Eu me lembro uma vez em, 1980, levei um aparte de um soldado. Levei esse aparte para o subcomandante, ele leu e falou: “Volta aqui à tarde. Te peço uma coisa, se coloca no lugar de quem você está punindo para ver se procede essa rigidez toda” — disse Bolsonaro.

— Eu voltei à tarde e falei: “Major, não pretendo mais representar o soldado. Realmente não houve transgressão disciplinar por parte do soldado”. Isso é comum acontecer — concluiu.

Em seguida, Bolsonaro afirmou que já foi alvo de punição no Exército por uma entrevista publicada numa revista e indagou se outros militares que estavam na sala também já haviam sido punidos.

Bolsonaro também elogiou o trabalho de Pazuello à frente da Saúde e disse que o substituiu porque o ex-ministro havia chegado “ao limite”.

— Vamos ser o quinto pais do mundo a produzir vacinas aqui. E isso começou com quem? Com Pazuello lá atras. O nosso ministro da Saúde, que chegou no limite dele. Achamos melhor colocar alguém mais técnico — disse.

Alvo de críticas pela suposta morosidade na aquisição de vacinas e pela crise de abastecimento de oxigênio no Amazonas, Pazuello é um dos principais alvos da CPI da Covid. Sua nomeação já foi criticada publicamente pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), que condenou o fato de Bolsonaro ter colocado um militar para comandar a Saúde, em vez optar por um nome da área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: