Para serem competitivos, Correios terão de investir R$ 2 bi ao ano

Os Correios terão de investir ao menos R$ 2 bilhões anuais para que a empresa seja competitiva no atual cenário de ampliação do e-commerce. O volume teria de ser recorrente pelo período de 10 anos. Atualmente, a estatal investe, em média, R$ 300 milhões ao ano.

As conclusões são de estudo conduzido pela Accenture e pelo escritório Machado, Meyer, Sendacz, Opice e Falcão Advogados. O objetivo é buscar alternativas para destravar a geração de valor no setor postal brasileiro sob a coordenação do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). É o mesmo estudo que embasa a possível privatização da estatal.

A conclusão é que não será possível haver investimentos desse vulto na atual situação fiscal e social do país, a não ser com a colaboração da iniciativa privada.

Isso representa um significativo aumento do atual patamar de investimentos, de R$ 300 milhões ao ano, e inviabiliza a continuidade do modelo atual, ainda mais em um cenário de pressão fiscal, consequência de diversos fatores como a pandemia da Covid-19“, destaca trecho desse estudo.

E-COMMERCE

O motivo principal é a necessidade de adaptar os serviços dos Correios às demandas do e-commerce, cada vez mais usado pela população. A Accenture destaca o crescimento de 54% na modalidade de 2014 a 2019.

Em contrapartida, a queda no volume de correspondências variou de 9% a 37% no mesmo período em operadores de países como Estados Unidos, Alemanha e Austrália“, compara o estudo.

De 2015 a 2019, em sintonia com os países mencionados, os Correios brasileiros tiveram alta de 15% no faturamento com encomendas.

No entanto, o impacto para os Correios é alarmante, tendo em vista que a estatal detém o monopólio apenas em correspondências, em forte declínio, com queda de 28% no mesmo período. Quando analisados os últimos cinco anos, a queda no Brasil chega a 40%, a maior redução comparada com os outros países contemplados no estudo“, pontua.

Hoje, a entrega de correspondências no país é monopólio da estatal. Encomendas, por outro lado, podem ser entregues por empresas privadas.

PRIVATIZAÇÃO

A Câmara dos Deputados aprovou no dia 20 de abril requerimento de urgência para o PL (projeto de lei) 591 de 2021, que possibilita a venda dos Correios. O texto é do governo federal. O presidente da República, Jair Bolsonaro, levou o projeto pessoalmente ao Legislativo no fim de fevereiro.

Os apoiadores do projeto afirmam que aumentar a participação da iniciativa privada no setor melhorará os serviços de entregas. Os contrários dizem que as regiões mais pobres e mais remotas do país ficarão sem o serviço, porque as operações para esses lugares não seriam lucrativas.

Nos últimos anos os Correios deixaram de dar prejuízo. O lucro em 2019 foi de R$ 102 milhões. Em 2020, os Correios registraram lucro líquido de R$ 1,53 bilhão em 2020. O resultado foi publicado no dia 27 de maio no Diário Oficial da União. Eis a íntegra(401 KB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: