ONU afirma que 52 mil estão desalojados em Gaza, Anistia quer investigação

Mais de 52 mil palestinos foram deslocados por ataques aéreos israelenses que destruíram ou danificaram gravemente cerca de 450 edifícios na Faixa de Gaza, disse a agência de ajuda da ONU na terça-feira (18).

Em uma declaração sobre o conflito, o grupo de direitos humanos Anistia Internacional disse que os ataques aéreos de Israel a edifícios residenciais podem constituir crimes de guerra. Israel afirma que atinge apenas alvos militares legítimos e que faz todo o possível para evitar baixas civis.

Cerca de 47.000 dos deslocados buscaram abrigo em 58 escolas administradas pela ONU em Gaza, disse a repórteres Jens Laerke, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em Genebra

.Laerke disse que 132 prédios foram destruídos e 316 gravemente danificados, incluindo seis hospitais e nove centros de saúde primários, bem como uma usina de dessalinização, afetando o acesso à água potável para cerca de 250.000 pessoas.

A agência da ONU elogiou o fato de Israel ter aberto uma passagem de fronteira para suprimentos humanitários, mas pediu que outra passagem também fosse aberta.

A ONU e seus parceiros humanitários estão fornecendo alimentos e outras formas de assistência às famílias deslocadas quando a situação de segurança permite, disse Laerke.

Há uma grave escassez de suprimentos médicos, o risco de doenças transmitidas pela água e a disseminação de Covid-19 por causa da aglomeração de pessoas deslocadas nas escolas, disse Margaret Harris, porta-voz da Organização Mundial de Saúde.

A Anistia Internacional, com sede em Londres, pediu uma investigação sobre ataques aéreos a edifícios residenciais em Gaza.

“As forças israelenses demonstraram um desprezo chocante pelas vidas de civis palestinos, realizando uma série de ataques aéreos contra edifícios residenciais, em alguns casos matando famílias inteiras – incluindo crianças – e causando destruição gratuita de propriedades civis, em ataques que podem equivaler a crimes de guerra ou crimes contra a humanidade.”

Anistia Internacional

Israel diz que atinge apenas locais que considera serem alvos militares usados por militantes e que regularmente emite avisos prévios para evacuar edifícios que considera alvos legítimos, como parte de esforços mais amplos para evitar vítimas civis.

A Amnistia, que exortou ambos os lados na semana passada a não violar o direito humanitário, disse ter documentado quatro ataques mortais de Israel lançados contra casas residenciais sem aviso prévio e apelou ao Tribunal Penal Internacional para investigar.

Segundo a agência, os ataques israelenses em 11 de maio destruíram dois prédios residenciais pertencentes às famílias Abu al-Ouf e al-Kolaq, matando 30 pessoas, 11 delas crianças. Uma mãe e três filhos foram mortos em 14 de maio, quando o prédio de três andares da família al-Atar foi atingido, disse o jornal.

Segundo a agência, a casa de Nader Mahmoud Mohammed Al-Thom, onde ele mora com outras oito pessoas, foi atacada sem aviso em 15 de maio.Israel não comentou imediatamente sobre os casos específicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: