fbpx

OMS aguarda dados da Merck sobre comprimido contra Covid-19

Um porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta terça-feira (12) que a agência de saúde das Nações Unidas aguarda receber os resultados completos dos estudos clínicos do remédio contra a Covid-19 desenvolvido pela farmacêutica Merck (conhecida no Brasil como MSD).

“Realmente é um progresso”, disse Christian Lindmeier em entrevista coletiva em Genebra. “Ainda esperamos ver os dados completos. Se for comprovado, então é outra arma na luta contra a pandemia da Covid-19.”

A declaração foi dada um dia após a Merck ter dado entrada em um pedido de uso emergencial do medicamento molnupiravir para a agência regulatória americana FDA. O remédio seria usado no tratamento de Covid leve a moderada em adultos.

Se a autorização for concedida – o que pode levar algumas semanas –, o remédio será o primeiro em formato de comprimido para tratar a doença. Todos os outros tratamentos autorizados pela FDA requerem uma injeção intravenosa.

No dia 1º de outubro, a Merck havia anunciado que seu medicamento reduziu as hospitalizações e mortes em pessoas no início da infecção com o coronavírus.

A FDA ainda vai examinar os dados da empresa sobre a segurança e eficácia do medicamento, molnupiravir, antes de tomar uma decisão.

Três medicamentos de anticorpos autorizados pela agência provaram ser altamente eficazes na redução de mortes por Covid-19, mas são caros, difíceis de produzir e requerem equipamentos especializados e profissionais de saúde para serem aplicados.

Desde o início da pandemia, especialistas enfatizam a necessidade de um tratamento em comprimido. O objetivo é ter algo semelhante ao oseltamivir, remédio contra gripe usado há 20 anos que reduz a doença em um ou dois dias e atenua a gravidade de sintomas como febre, tosse e nariz entupido.

Coquetel da AstraZeneca

Também na segunda, a farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou que seu coquetel de medicamentos experimentais contra a Covid-19 se mostrou eficaz na redução de casos graves e mortes em pacientes não hospitalizados.

Os resultados ainda não foram avaliados por outros cientistas nem publicados em revista científica.

O medicamento, chamado AZD7442, reduziu em 50% o risco de desenvolver a forma grave da doença e de morte em pacientes sintomáticos, afirmou a farmacêutica. O estudo acompanhou cerca de 900 pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: