Mulher é presa após invadir recepção de hospital com carro

Uma mulher foi presa após invadir a recepção do Hospital de Emergência Henrique Sérgio Gregoride, em Resende, no Sul Fluminense, na tarde de quarta-feira (20), usando o próprio carro. Segundo testemunhas, a situação aconteceu pois a mulher estava insatisfeita com o atendimento que a sua irmã havia recebido na unidade de saúde momentos antes.
Imagens gravadas por outros pacientes que aguardavam na recepção mostram a motorista, identificada como Jéssica Paixão, alterada e gritando bastante após invadir o local com a irmã no porta-malas do veículo. O vidro da recepção ficou completamente destruído, deixando o chão do hospital com estilhaços de vidro. A Polícia Militar foi acionada e, segundo a corporação, ninguém ficou ferido por causa da invasão.
Jéssica foi presa e levada para a 89ª DP (Resende), onde prestou depoimento. Os agentes coletaram imagens e ouviram testemunhas para esclarecer as circunstâncias do fato, e o que motivou a atitude da mulher. Ela foi presa e autuada em flagrante pelos crimes de dano qualificado e direção perigosa.
Através das redes sociais, a prima de Jéssica disse que ela agiu por desespero ao ver a irmã com fortes dores. De acordo com a parente, a irmã da presa tem 28 anos, sofre com neuropatia diabética e passou por hemodiálise, além de ter problemas cardíacos. “Ela caiu em casa porque o cachorro a empurrou, e ela não tem força nas pernas.
A minha prima a levou ao hospital e mandaram voltar com ela, só que ela não sabia que tinha quebrado o fêmur. Ao sair do carro, sentiu um estalo e voltou para o hospital”, detalhou a prima de Jéssica. “A minha prima é muito calma, mas no desespero, colocou a irmã no porta-malas porque não tinha como colocar em outro lugar”, completou.
Ainda segundo a familiar, a irmã de Jéssica terá que passar por uma cirurgia nos próximos dias. A motorista passa por audiência de custódia nesta quinta-feira (21).
Procurada, a prefeitura de Resende disse que o Hospital de Emergência Henrique Sérgio Gregori instaurou uma sindicância para apurar a conduta médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *